Um sócio para sua gráfica

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 0 Flares ×

Tem sido recorrente entre meus leitores, casos em que bons profissionais trabalham por anos sozinhos e chegam a um ponto que se tornam escravos de seus negócios. Hoje vou propor algumas ideias de acabar com este problema.

A gráfica de um dono só

A situação mais comum no mercado gráfico são gráficas que começaram com o trabalho de apenas um sócio, que foi juntando empregados e formando clientela.

Muitos desses até crescem bastante. Mas chega um ponto em que ter empregados apenas não ajuda, pois a postura de um empregado e o dono é sempre diferente.

Neste ponto, mesmo que tenham empregados na empresa, o dono se faz necessário e acaba por se tornar um escravo da empresa.

Não raras vezes, nem férias se consegue tirar sem que haja um grande tumulto nas finanças. É daí que vem o provérbio: “Quando o gato sai os ratos fazem a festa!”.

Este efeito é especialmente forte nas gráficas de pequeno porte, onde se tem até 5 funcionários, a maioria especializada apenas em um ou outro procedimento, sendo o dono, aquele que “quebra o galho” na ausência dos funcionários.

Você se identificou com isto?

A solução está do lado

Outra coisa recorrente é que em todos os casos em que me apresentaram este sintoma, ao ser perguntado sobre uma possível ajuda, sempre havia outro gráfico, de nicho complementar, com grande afinidade e reclamando do mesmo problema.

Ou seja, a principal solução sempre está do nosso lado a espera de um movimento nosso.

Na maioria das vezes, não há desconfiança da integridade das pessoas, dos grandes benefícios mútuos, nem da certeza que podem ganhar em volume de vendas e redução de custos.

Mas por que essas sociedades naturais acabam não ocorrendo?

sociedade gráfica

Medo de dividir

Por incrível que pareça o medo de que as coisas não deem certo é o principal motivo por que não ocorrem estas fusões.

Na maioria das vezes os clientes principais são diferentes, e nos casos que são iguais, já existe a divisão de trabalhos, pois os nichos de atuação são diferentes.

O medo é a grande limitação.Medo de mudar para outro endereço, mesmo próximo e maior. Medo das despesas de uma loja maior, mesmo que o valor seja menor do que o paga pelas duas lojas atuais. Em resumo… o medo!

Tem também o medo de dividir os ganhos. Por mais que preparemos nossa cabeça, conseguimos visualizar só aquilo que estamos acostumados e o vemos dividindo… só vemos os aumentos das despesas… nunca a redução das despesas.

Ganhos ocultos

Este tipo de fusão tem outros ganhos que não podem ser quantificados monetariamente.

Por exemplo, quanto custa poder tirar uma tarde por semana com sua família? Quanto custa poder tirar férias? Quanto custa poder sair para um médico sem fazer as contas de quanto está perdendo?

Existem muitos outros ganhos ocultos com uma fusão de negócios.

Tente fazer o exercício de achar um candidato e listar estes ganhos e os benefícios de uma fusão.

Preparando o terreno

Uma boa conversa comesse colega, candidato a sócio, é o primeiro passo para uma fusão.

A conversa deve começar exatamente pelas dificuldades… não poder sair da empresa… ter que estar presente em 100% do tempo.

Deve ser como um namoro… durar algum tempo… conhecer os vícios e qualidades do parceiro.

Se ambos estiverem inclinados para o negócio, é hora de fazer contas e ver quanto ganhariam no processo.

Possivelmente não há perdas de ganhos com clientes… na verdade devem até aumentar, pois deixaram de ser “concorrentes” naqueles casos em que o cliente faz um pequeno “leilão” para conseguir um preço melhor.

Já nos custos, deve-se notar grandes reduções. Um estoque menor e mais bem provido. Reduções nos custos de água,luz, gás, aluguel e funcionários. Melhores ações de marketing.

O maior ganho vai ser no brainstorm diário, trocando ideias sobre novos negócios.

Depois do namoro

Depois da fase de namoro, já cientes dos benefícios, segue-se a fase de implantação das mudanças.

Procurar um novo endereço capaz de conseguir abrigar ambos negócios.

Algumas vezes é possível usar um dos endereços antigos, mais espaçoso e mais bem localizado, mas é importante preparar ele para a entrada do novo negócio.

A cara deve mudar, para que um não se sinta mais dono do que o outro… tem que ser uma mudança de fato.

Tudo por escrito

Embora já haja uma afinidade, é importante deixar tudo as claras.

Para isso deve-se deixar tudo por escrito. Do contrato social ao plano de negócios.

Deve-se tratar metas, direitos e obrigações e deixar por escrito.

Mesmo que hajam ajustes, devem ser por escrito.

Os funcionários também devem ser envolvidos no processo e devem ser notificados por escrito sobre as mudanças.

socios - fusão gráfica

Período de transição

Você certamente já se mudou alguma vez. Sabe dos transtornos envolvidos.

Nesta fase pode haver queda de receita… afinal não temos como trabalhar direito… falta internet… problemas com sistemas… problemas com as voltagens e cargas dos equipamentos, tomadas de tipos diferentes, e outros probleminhas esquecidos, mas que podem ser grandes transtornos.

Deve-se manter a calma para não desistir nesta fase. Dar um tempo ao tempo.

A clientela também deve ser informada e orientada sobre os novos endereços.

Pode ser interessante fazer ações de marketing direcionadas a levar seus clientes ao novo endereço, para aproveitar promoções e conhecer as novas instalações.

A percepção do cliente em geral é que você está crescendo e investindo em seu negócio. Isto pode ser positivo para você.

A sua percepção

Agora eu pergunto: Qual a sua percepção para uma mudança dessas?

Quais são os principais problemas e benefícios que você citaria?

Você já teve uma experiência do tipo?

Eu gostaria de ver s sua opinião e transformar este espaço num bom local para troca de experiências… pode ser importante para todos.

Usa os comentários a vontade… todos são colocados automaticamente… o blog é de vocês!

Sinceramente espero que tenham gostado desta postagem.

Como foram mais de 10 leitores que vieram com conversas do gênero, creio que isto deva afetar grande parte dos leitores. Quando uma pergunta fica recorrente é sinal que é uma preocupação contínua dos leitores.

Até a próxima postagem.

Abraços a todos!

Você pode gostar também de:

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 0 Flares ×

2 comentários

  1. Juliana Soares

    Olá Boa noite, estou pesquisando sobre impressora de corte e pretendo comprar para iniciar trabalhos de lembrancinhas, convites,caixinha de doces e outros. Tenho habilidade com CorelDraw. O que você acha da silhouette cameo 3?

    • Paulo Valle
      Author

      Juliana,
      A Silouete é a pior e mais barata delas. Eu não indico.
      Se tiver um pouco mais de grana, na faixa dos R$ 1600 prefira uma maquina mais robusta e com boca maior, pois vai te dar mais possibilidades.
      Só vá para a siloute se não tiver possibilidades financeiras.
      A diferença em dinheiro entre as duas é de uns 50% (cerca de R$ 500) e a siloute tem apenas 20 cm de boca, é lenta e fraca… você pode ter uma maquina mais forte, com 70 cm de boca e até 6 vezes a velocidade, gastando muito pouco a mais.
      Está no meu plano comprar e esse é o meu ponto de vista.
      Essa aqui não é uma das mais baratas, masi é uma das mais vendidas: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-721269968-plotter-de-recorte-profissional-72cm-_JM

      Abraços,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *