Empregados ou colaboradores? Sempre uma questão difícil!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 0 Flares ×

Hoje quero tocar num ponto que sempre gera muita discussão. A questão dos empregados em nosso negócio gráfico. Se você ainda é muito pequeno e trabalha sozinho, ainda não teve este tipo de problema. Mas, vai chegar o dia que fatalmente terá que enfrentá-lo de frente. Segue agora minha breve análise como administrador.

Por quê ter empregados

A primeira pergunta que nos vêm a cabeça é por que precisamos de empregados. Sempre existe a possibilidade de terceirizar tudo, evitando assim este tipo de aborrecimento.

Então, Para quê empregados?

A resposta a esta pergunta é única: ALAVANCAGEM.

Trabalhando sozinho, você ganha em cima das suas horas trabalhadas. Como você tem que dormir em média 8 horas e tem que viver numas outras 8 horas, só te restam 8 horas por dia para produzir.

Alavancagem - Força de trabalho

Por mais caro que você cobre a sua hora, você chegará a um limite onde não dá para aumentar a sua hora de trabalho e não tem tempo para assumir novos compromissos.

Você tem um limite de produção.

Com um ou mais empregados, você “terceiriza” parte desta produção, cobrando aproximadamente o mesmo que você cobra na sua hora de trabalho, mas paga menos aos seus funcionários, se apropriando de parte das suas produções, podendo ganhar assim mais.

É claro que você tem custos, mas observe bem que só faz sentido ter empregados nos caso de você ter mais serviços que o seu tempo possa suportar.

É um investimento que você faz para criar mais tempo para você!

Desempenho dos funcionários

Um erro que todo empresário comete é querer que o funcionário funcione tão bem quanto ele próprio.

Neste ponto é bom lembrar que são indivíduos diferentes, com formações diferentes, limitações diferentes e principalmente motivações diferentes. O empresário costuma estar altamente motivado. O empregado nem sempre tem esta motivação.

Com isso o “valor” de cada empregado é diferente e deve ser assim equacionado. Tem o funcionário que te gera um ganho de R$ 1.500 por mês e vai te custar uns R$ 1.000 e tem aquele que te gera R$ 10.000 e te custa apenas R$ 2.000.

Cabe a você achar estas joias, aparentemente caras, mas que dão grande retorno.

Um conselho que eu já vi em uma série de livros sobre empreendedorismo é o seguinte: PROCURE CONTRATAR PESSOAS MAIS INTELIGENTES QUE VOCÊ E GERENCIE BEM ELAS.

pessoas mais inteligentes que você

Aliados ou inimigos

No meu emprego atual estou esbarrando exatamente neste problema.

Você pode tratar os empregados como aliados ou inimigos!

Vamos aos dois casos:

  1. Inimigos – Suponha que você tenha 100 empregados e 1 deles seja um ladrão. Você não sabe quem é, mais trata todos os seus empregados como se fossem ladrões, apertando eles na questão salarial, fazendo descontos injustos, do tipo que qualquer juiz te força a devolver. Com isso você cria um clima em que os empregados estão na sua empresa apenas para sobreviver, e até que tenham oportunidade de sair. Se um desses camaradas vê o ladrão fazer algo suspeito ele acaba fazendo “vista grossa” e deixa passar o ocorrido. É normal nessas empresas o “delator” ser execrado junto aos seus pares e às vezes até ser considerado cúmplice pelo empregador… neste caso é melhor ficar calado mesmo. E você tem 1 ladrão e 99 inimigos na empresa.
  2. Aliados – Suponha agora a mesma situação. 100 empregados e 1 ladrão. Você trata seus empregados como verdadeiros parceiros,  distribui lucros, elogia publicamente os melhores empregados, cria benefícios. Sua empresa passa a ser a empresa dos sonhos de todos os seus funcionários. Quando um funcionário vê algo errado, imediatamente ele alerta seus pares e muitas vezes você nem precisa fazer nada, pois os próprios funcionários forçam a saída do funcionário problema. Afinal eles não querem acabar com o paraíso que é a sua empresa. Nem preciso dizer o que acontece com a sua lucratividade, não é?

Agora cabe a você pensar o que é melhor para a sua empresa. Aliados ou inimigos?

Como fazer os empregados virarem aliados

Esta é uma pergunta que todos sempre fazem, que as grandes empresas já acharam a resposta, todo mundo sabe, mas os pequenos empreendedores teimam em não acreditar.

Para fazer aliados você deve se posicionar no lugar deles. O que eles precisam? O que eles querem?

Se você perguntar isto diretamente para eles a resposta será sempre mais dinheiro.

DINHEIRO NÃO É A SOLUÇÃO!

Já é sabido que ao aumentar um funcionário, ele imediatamente cria mais um gasto para consumir aquele dinheiro, vindo a necessitar cada vez de mais dinheiro.

Um  prêmio (mesmo em dinheiro) pode ser muito bem vindo. Ele sabe que é apenas para aquele momento e não cria despesas mensais em cima desta entrada.

Existem coisas muito mais importantes na empresa. São elas:

  1. Salário compatível com a vida dos funcionários. Nem mais, nem menos.
  2. Bom ambiente de trabalho.
  3. Ser reconhecido como bom empregado.
  4. Ver o seu esforço ser reconhecido.
  5. Sentir que a empresa se preocupa com ele.
  6. Se sentir seguro.
  7. Ver a empresa investir no seu futuro.
  8. Poder fazer carreira dentro da empresa.

Eu poderia citar muitos outros, mas estes me parecem ser os principais.

Aqui é bom salientar que pequenas coisas feitas no dia a dia da empresa podem fazer grande diferença.

Na empresa em que trabalho, eu criei um fundo que chega a aproximadamente 1/5 do valor da folha de pagamentos, que se destina a emergência dos funcionários. Este fundo não é fixo. Eu vou destinando as verbas até que chegue a este limite.

Com ela são dados vales aos funcionários para resolver pequenos problemas deles, que poderiam se tornar grandes problemas para eles. São alguns problemas que já solucionei:

  1. Parente com operação grave, precisando de aproximadamente 1,5 x o salário do funcionário. Ele pagou em 6 suaves prestações retiradas do seu salário.
  2. A pia de casa caiu e quebrou. Valor equivalente a 1/3 do salário. Descontado em 2 x.
  3. Dívida no cartão no valor de ½ salário. Parcelado em 3 vezes e um sermão de finanças pessoais.

Note que todas estas ocorrências foram de valores irrisórios para a empresa e seriam um grande transtorno para o empregado.

Coisas como esta fazem a diferença.

Uma observação: Apenas encostei  no teto destes benefícios uma 2 vezes em 3 anos. Os próprios funcionários  tomam cuidado para evitar exageros e não perder o benefício.

fabrica de líderes

Fabrique líderes

Você é um líder? Você sabe quem são os líderes na sua empresa?

Se você não sabe a diferença entre chefe e líder, sugiro a leitura do livro o Monge e o executivo. Ele mostra na forma de um romance as diferenças entre os dois.

Meu conselho é: Seja um líder para seus funcionários. Aproxime-se deles e entenda as suas necessidades e mostre as suas. Deixe esta relação a mais próxima possível e mostre a todos que você é uma pessoa em que eles possam confiar.

Segundo conselho: Estimule o aparecimento de novos líderes. Verifique os empregados que servem de parâmetro para os demais funcionários e molde-os segundo os interesses da empresa, chamando-os a partilhar suas opiniões, expondo as suas e fazendo com estes “lideres” uma gestão participativa. Assim as ideias se tornam ideias do grupo e todos lutam para chegar aos objetivos traçados.

Terceiro conselho: Crie o melhor ambiente possível para os funcionários, dentro de suas possibilidades.

Caso você tenha preguiça de ler o livro, líder é aquele que se preocupa com os subordinados, fazendo com que o ambiente de trabalho seja harmonioso e cuida para que os funcionários possam trabalhar tranquilos a fim de cumprir as metas.

Quem cumpre as metas não é o líder e sim os empregados. O líder faz a gestão dos esforços e direciona as ações para o lado mais produtivo, na maioria das vezes, sem que ninguém perceba.

Conclusão

O assunto aqui abordado é muito extenso.

Seria muita pretensão minha esgotar o assunto. Por isso dei apenas um pontapé para obter seus comentários e entrarmos em detalhes em outros posts.

O mais importante aqui abordado é a possibilidade de alavancar o seu negócio através de colaboradores, criação de um bom ambiente de trabalho e o mais importante, ser uma fábrica de líderes.

Espero que tenham gostado deste post.

Não se esqueçam de deixar seus comentários para tornarmos este post ainda mais rico.

Até o próximo post.

Abraços a todos.

Você pode gostar também de:

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 0 Flares ×

6 comentários

  1. Saudações Paulo!

    Bem completo seu artigo. Acho muito importante em uma empresa ter uma boa harmonia entre patrão e empregado.
    Trabalhei em uma empresa como auxiliar de controle operacional, onde nossas metas era, evitar as quebras, controlávamos tudo.

    Era uma trabalheira, sem contar que eles cobrava muito postura etc etc etc.

    Tínhamos uma gerente que nos tratava como filhos, sentava ao nosso lado a hora do almoço, conversa, ria, o clima era ótimo.
    De repente ele é transferida e chega o carrasco. Nesse tempo nossa loja foi uma das poucas que conseguiu bater a meta estabelecida, pois tínhamos uma equipe federal.

    Esse novo gerente chegou tratando todo mundo como ladrão, isso desanimou bastante, passei a chegar atrasado, fui logo advertido por duas vezes em 1 semana.

    O horário de almoço já não era como antes, quando chegávamos para almoçar, eu ia para uma mesa, e a equipe do meu turno seguia, ele ficava completamente isolado.

    Com a ajuda de um outro colega de trabalho que já tinha trabalhado com ele em outra gestão, esse colega resolveu chamar ele a atenção. Falou que a equipe estava desmotivada, que ele deveria mudar a forma como estava nos tratando, pois ele pegou uma equipe e compromissada. Resumindo, ele passou a valorizar a equipe, e em uma votação para escolher quem concorreria ao melhor associado do mês, ele me deu o voto dele.

    Se tornou um amigão meu, e quando decidi sair da empresa, falei com ele numa boa e me demitiu com todos os meus direitos. Até hoje somos amigos.

    Espero ter contribuído com essa pequena experiência. Abraços!

  2. …muito bom seu texto, vendo ele me lembra a epoca que trabalhei no japão, mesmo não tendo beneficios em relação as empresas brasileiras a forma que eles trabalham e fenomenal, independentemente do cargo que ocupam, eles se tratam como iguais, com respeito, com interesse em cada bate papo rapido com um funcionario e outro, independente de ser estrangeiro eles dão oportunidade de cargos na empresa(desde que tenha o seu devido destaque), me lembra um dia em que na hora do almoço um rapaz dormil e acabou por ficar dormindo na sala de intervalo(la você discança por 15 minutos a cada 2 horas de trabalho =D), e todos tinham voltado para a linha de produção menos ele, então o chefe passou pela linha e perguntou dele e um amigo falou que talvez ele tinha ficado dormindo e perdido o horario, o mesmo rapaz se prontificou em chama-lo mas o nosso chefe não deixou, falou pra ele “…deixe ele dormindo, se ele perdeu o horario e porque ele deve estar cansado, ja ja ele acorda…”

    • Paulo Valle
      Author

      Mentalidade de primeiro mundo. Já estamos com números de PIB de primeiro mundo, mas ainda nos chamam de “em desenvolvimento”. Será que o falta não é esta mudança de mentalidade? Vamos ver se este post não dá um empurrãozinho.
      Valeu pela sua grande participação!
      Abraços,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *