Design Gráfico – Essa é a profissão que eu quero seguir!

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 1 Flares ×

Você já parou para pensar que profissão deseja seguir carreira? Se você já  exerce alguma profissão, alguma vez já teve vontade de largar tudo e começar um novo projeto? Calma, você não está sozinho e nunca é tarde para começar! Hoje vou falar um pouco sobre a profissão de Designer Gráfico.

Ser ou não ser, eis a questão!

Quantas vezes você já se perguntou isso? Bem,  vou começar falando por mim. Quando estava no 1º ano do colégio, tinha uma enorme vontade de me tornar arquiteta, no 2º ano já pensava em ser psicóloga. E finalmente no 3º ano, resolvi que iria fazer o curso de Turismo.  E onde o design gráfico entra nisso tudo??? Sempre fui uma pessoa que adorava ficar no computador, apaixonada por artes, cores, tudo que envolvesse a criatividade. Foi ai que eu pensei: Porque não seguir a carreira de Designer Gráfico? Era isso que eu queria e fui atrás do meu objetivo. Hoje trabalho na minha área e sou apaixonada pelo que faço, mas entendo que muitos ainda têm certas dúvidas se esse é um bom caminho a seguir. Então, vamos ao que interessa!

O que é designer?

O que é design Gráfico?

O que é Design Gráfico?

O Design Gráfico é um processo técnico e criativo que utiliza imagens e textos para comunicar mensagens, ideias e conceitos. Batizado e amadurecido no século 20, é hoje a atividade projetual mais disseminada no planeta. Com objetivos comerciais ou de fundo social, o Design Gráfico é utilizado para informar, identificar, sinalizar, organizar, estimular, persuadir e entreter, resultando na melhoria da qualidade de vida das pessoas. O trabalho dos Designer Gráfico está inserido no cotidiano da sociedade através de marcas, logotipos, símbolos, embalagens, livros, jornais, revistas, pôsters, folhetos, catálogos, folders, placas e sistemas de sinalização, camisetas, aberturas e vinhetas de cinema e televisão, web sites, softwares, jogos, sistemas de identidade visual de empresas, produtos e eventos, exposições, anúncios etc.

E o que um Designer Gráfico faz?

Primeiramente, ele estuda e conhece questões relacionadas à profissão, como cores, tipografia, produção gráfica, meios de comunicação, marketing, semiótica, ergonomia, entre outras tantas necessárias. Depois ele continua estudando, lendo, navegando, conhecendo e se atualizando, tanto técnica como culturalmente.

Com isso, ele pode estudar cada caso, analisar e vivenciar a situação do cliente, ponderar todas as variáveis, a fim de encontrar a melhor solução, de forma harmônica, viável e que traga resultados. Como nos dias de hoje, o acesso a programas gráficos está facilitado, qualquer pessoa mesmo não capacitada, diz ser Designer Gráfico, o que não é verdade.

O Mercado do designer

O Mercado do designer

O mercado de trabalho

A figura do designer gráfico vem ganhando cada vez mais espaço devido ao surgimento de novas mídias e também pela necessidade de ampliação dos canais já existentes, como a publicidade, a internet, a telefonia celular e a mídia impressa. Outra possibilidade é trabalhar como autônomo, prestando serviços para empresas, ou em pequenos escritórios de design.

Uma via, vários caminhos

O design gráfico se subdivide em algumas áreas, são elas:

*Produção Gráfica

*Design Editorial;

*Ilustração;

*Design de Embalagens;

*Web Design;

*Design de Informação;

*Design de Produto.

Designer é arte e técnica!

Designer é arte e técnica!

Neste link estão disponíveis vários livros sobre Design Gráfico, desde introdução até alguns temas mais aprofundados, como planejamento e branding  : Entre no link Livros de Design.

Nas próximas postagens entrarei em detalhes sobre cada uma delas, mas espero ter ajudado a esclarecer alguns fatores com este. Para ser um bom designer gráfico, é preciso muita paciência, dedicação, gostar do que faz e sempre estar buscando conhecimento. Seja curioso , se desafie, você pode chegar onde quiser, basta ir atrás dos seus objetivos.

Envie sugestões de assuntos que você gostaria de ver aqui no blog, se preferir, podem mandar no meu email gabrielesantana@hotmail.com , prometo fazer de tudo para atender ao pedido de todos. Não esqueça de assinar nosso feed ou pedir as atualizações por email. Assim não perderá nenhuma postagem.

Até a próxima!

Gabriele Santana

Você pode gostar também de:

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 1 Flares ×

85 comentários

  1. Bruno Simomura

    Olá Gabriele,

    Considero o mercado do design gráfico extremamente promissor. Quando eu era bem mais jovem, pensava em seguir na área também. Bem legal conhecer mais a fundo o ramo de atuação.

    Abraços

    • cardqual
      Author

      Bruno,

      To começando a achar que todo profissional de TI é um gráfico enrrustido!!!
      No meu caso eu desenrrusti e tentei um pouco a área.

      Vale um post no futuro. Tenho tido bons resultados colocando meu blog no item tecnologia quando divulgo… acho que é bem por aí mesmo. Afinal não tem gráfica sem tecnologia. Já viu as impressoras 3d que estão surgindo?

      Abraços,
      Obrigado pela visita.

    • Gabriele Santana

      Oi Bruno,

      É sempre bom sabermos um pouco mais sobre nossa área de atuação, eu sou uma apaixonada por Design Gráfico. Não perca as próximas postagens, vou falar sobre cada item desse que citei. Vai ser bem legal, obrigada por acompanhar sempre o blog.

      Até mais!

  2. Saudações Gabriele e Card quali!

    Acho interessante a facilidade que você tem em transmitir sua mensagem, suas palavras se tornam tão agradáveis. Eu fiquei impressionado com a quantidade de campo que um design tem para trabalhar. Se não me falha a memória, Um professor de informática certa vez me disse que era uma área bastante concorrida, embora ele fosse formado na área, sempre tinha pessoas com mais diplomas que ele etc..

    Qual o seu ponto de vista sobre essa situação? As empresas presam mais pelos diplomas?
    Porque em outras áreas, às vezes tem pessoas mais qualificadas com um diploma só, que outro com bacharelado etc. Ou será que esse professor estava falando de +++++++

    Tem crakers, por exemplo, que invadem empresas super protegidas, onde por trás tem um especialista formado e aquela coisa toda, e muitas vezes o invasor é um molequinho que nunca pisou os pés em uma facul. Parabéns pelo artigo!

    • Mirko,
      Acho que o professor está equivocado.
      Na verdade a maioria dos profissionais não são da área. Acontece que esta área era mal abastecida de cursos até bem pouco tempo atrás.
      Só havia cursos para desenho industrial, que tinham alguns profissionais que deslanchavam para esta área. O curso de design é recente. Cursos especificos de arte finalista são raríssimos.
      Aqui no blog você tem as duas situações. Sou geólogo, administrador e mesmo assim atuei na área de gráfica por anos entrando nela exatamente pelo lado da arte final. Na época não conhecia nenhum profissional com formação na área. Eu mesmo formei uns 30 profissionais na zona oeste do Rio de Janeiro e creio que tem uns 100 profissionais desta região que são meus ex-pupilos ou pupilos de meus alunos.
      Já a Gabriele vem embasada de uma formação na área. Mas temos uma grande diferença de idade e esta mudança deve ser irreversível.
      A poucos dias foi aprovado a nova lei que regulamenta a área e ela aborda estes dois profissionais: O que tem anos na área e o com formação superior. Tal qual outras regulamentações ele regulariza ambos profissionais e institui a obrigatoriedade de diploma a partir de agora.
      Acho que foi um ganho para classe e não prejudica ninguém que já esteja atuando na área.
      Mas uma coisa é certa: A qualidade da produção continua falando muito forte. Escoli a Gabriele como parceira analisando o seu portifólio e pelo que vi não tenho nada a me arrepender. A formação dela trouxe bastante valor para o blog.
      Obrigado pelo comentário.
      Abraços,

      • angela salvador

        Preciso de uma orientação , pois tbem sou graduada em administração e em Design gráfico e agora não sei unir as duas áreas ?
        tenho um projeto mais estou em duvidas como colocar ele em pratica.

        meu email é a.salvador2@hotmail.com
        se puder entrar em contato agradeço

        • Paulo Valle
          Author

          Angela,
          O seu caso é o mesmo que o meu… sou designer e administrador.
          Perceba que você tem uma vantagem por saber como tocar o negócio, coisa que outros poderão não ter.
          Mas tem que se lembrar sempre de se focar nas tecnicas administrativas, pois no dia a dia é comum nos perdermos no apagar o fogo.
          Você vai receber um email meu com essa resposta… pode passar o seu plano por lá que podemos discutir ele.
          Abraços,

  3. Gabriele Santana

    Olá pessoal,

    Pelo que vi o post anda gerando muito assunto para debatermos, acho super interessante isso. Mirko, não acho que a área de Design Gráfico seja tão concorrida assim como esse professor falou. Moro atualmente no Paraná e aqui acontece exatamente o oposto: Falta profissionais na área. É claro que o diploma é importante, mas na maioria das vezes, o que conta é a experiência. Muitas empresas hoje não têm tempo para ensinar e querem pessoas capacitadas para a função. Não adianta nada o sujeito estudar 3, 4 anos, se formar e na hora de ocupar uma vaga, não atingir as expectativas do empregador. Esses são logo “descartados”. Então eu falo que não adianta só estudar, você tem que se dedicar e saber como a coisa funciona na prática, assim a experiência vai falando mais alto. O resto vem por consequência. Agradeço as palavras do Paulo, saiba que espero aprender muito com sua experiência também. Obrigada a todos!

  4. Rodrigo Loçano

    Opa Bom dia!
    Eu concordo e discordo com a Gabriele, concordo que sim há um grande buraco nas empresas que buscam profissionais qualificados, mas discordo quanto a concorrência citada pelo Mirko – Hoje em dia qualquer um que pirateia uma licensa do photoshop se acha designer então sempre tem o sobrinho do dono da empresa que faz de graça ou que faz por um tênis de R$100,00.
    Motivo pelo qual eu sai do Design a concorrência as vezes é desleal e acaba não compensando abaixar o preço. (3 anos depois voltei como freelancer) kkkk mais enfim… Outra história.

    Um abraço!

  5. Gabriele Santana

    Rodrigo, ri muito aqui com o comentário do tênis hahahaha. O duro é que é verdade. Falando nisso, estou aceitando presentes, meu aniversário é amanhã o/ pode ser um tênis tbm hahaha

    Abraços a todos!

  6. Confesso que esse é um sonho meu trabalhar nessa área do Design Gráfico…com ampliação no ramo de Webdesign, até cogitei um curso na Unisul, mas mudaram para Sistemas para Internet. Acabei optando por Gestão Comercial (bem diferente), mas quem sabe quando concluir possa pensar em algo.
    Abraços,
    Digo Cabral

    • Digo,
      Bem vindo ao blog… desculpe a demora em responder.
      Com você já são vários metablogers que confessaram ter uma quedinha pelo ramo gráfico.
      Vai ver que é por isso que eu, do ramo gráfico, também me sinto atraido pelos metablogs.
      Na verdade o design abrange as duas áreas e a tecnologia também. As caracteristicas de ambas são muito parecidas.
      Meu conselho é continue a acompanhar nossas postagens e abrace ambas as carreiras.
      Abraços,

  7. Como eu havia comentando num post aqui do site recentemente, tive uma batalha com um cliente justamente por causa da falta de valorização da profissão.
    O cliente solicitou um design para uma capa de carnês para notas promissórias. Me enviou seu logo (Criado pelo filho dele) e solicitou que lhe fosse feito o famoso “trabalho simples”, e com singelos 3 modelos diferentes para aprovação.
    Fiz o que me pediu, claro, vacinado eu quanto ao mercado viciado desta humilde cidade, cobrei mixaria, sinto vergonha até de mencionar o valor.
    O fato é o cliente achou absurdamente caro, e disse que o meu trabalho não deveria ser cobrado, o que me deixou intensamente desapontado e desacreditado quando a que caminhos devo seguir daqui em diante.

    Por muito tempo trabalhei como micreiro, sem ter conhecimento de como eu era privilegiado, sou autodidata e acreditava que só poderia me considerar designer se fizesse uma faculdade. Então descobri que depois de tantos anos de muito suor e dedicação em estudar, eu era surpreendentemente bom no que fazia, e que meu trabalho merecia depois de tanto esforço algum reconhecimento.

    Sinto vergonha em dizer isto, mas na cidade onde moro, todas as micro-empresas de comunicação visual, gráficas e afins, têm micreiros como responsáveis pela criação, e que cobram apenas R$ 10,00 para finalizar um cartaz, um cartão de visitas e até mesmo mídias de grande tiragem como folderes e panfletos (VERDADE!).

    Recentemente estrei em guerra comigo mesmo, e ainda estou em guerra para me tornar o responsável pelo departamento de criação da empresa onde trabalho. Aliás, minha ideia é criar o departamento de criação que ainda não existe. Trabalho em uma gráfica, onde os “designers” tem que atender os clientes e se envolver com operações completamente dispares de suas profissões de fato. O projeto é grande, será uma nova etapa para minha carreira, mas é frustrante acreditar que o trabalho aqui simplesmente não tem valor comercial algum. Infelizmente eu por ser subordinado tenho que ver isto acontecendo a minha frente, e não posso fazer nada. Recebo meu salário, não dependo de comissões e nem de serviços freelancer, que aliás presto apenas para aumentar minha renda porque agora vou ser pai, mas me dói ver que minha empresa pode explorar um mercado abrangente, e que infelizmente acaba se tornando apenas um mero detalhe no processo, mas que é tão importante para o desenvolvimento do trabalho.

    Vou lutar para que esse projeto se concretize, espero não ficar louco, frustrado ou perder as esperanças quanto a profissão que “me escolheu”. Triste é conversar com meus colegas de profissão que com um sorriso amargo nos lábios dizem “O importante é vender, cobro R$ 10,00 só pra não perder o serviço”. (Nota-se que estão falando do trabalho impresso).

  8. Liute,
    Não é uma realidade só da sua cidade… é uma realidade de todo o Brasil. Eu fazia artes aqui por valores indo de 5 a 20 reais, variando apenas a dimensão da artes (cartão até poster).
    Mesmo cobrando 5 em um cartão já fui chamado de ladrão, pois tinha um indivíduo que chegou a cobrar R$ 1,00… portanto eu cobrava 5x o preço dele…. OBS: O cara desistiu de continuar a fazer arte.

    Agora vamos ao que interessa.
    O fato não é quanto cobramos e sim o tipo de cliente que pegamos. Existe o cliente que quer um serviço simples, do tipo: capturar uma foto na internet, colocar a logo que ele tem no canto e escrever os dados do cartão… 5 minutos e tá pronto… o cliente acha que deve estar incluso no valor da produção mas engole pagar 5 ou 10 na primeira vez que faz a “arte”. E tem o cliente “grande” que está preocupado com o “valor” e “imagem” que vai transmitir ao cliente dele, quer atenção ao ser atendido, e vai pagar pela sua hora de trabalho e vai ter a melhor “ARTE” que você vai conseguir fazer.
    Você é funcionário, conforme citou… está sendo pago paga fazer as artes de 5 reais.
    Ofereça as duas opções: “O senhor quer uma arte de 5,00 feita em 5 min ou prefere comprar meus serviços de dedigner que custam R$ 50,00 a hora? Lembre-se que embora o cartão de 5 possa ser feito bonitinho, a imagem de sua empresa vale muito e uma boa produção pode trazer muitos negócios. Mas isto depende muito de quanto o Sr tem disponível para aplicar no marketing de sua empresa!”
    Faça o cliente pensar. Lembre-o que você tem uma meta financeira a cumprir e por isso tem que diferenciar os trabalhos. Uma ótima tática é conhecer os produtos que ele oferece e comparar preços entre o produto de maior valor com o de menor valor. Por exemplo se for um advogado, proponha uma causa trabalhista complicada daquelas que rolam anos e ofereça um preço aviltante… ao se sentir ofendido, muitas vezes ele joga os anos de estudo… informe-o dos anos de estudo em design que você tem e deixe ele pensar.

    Para você: Estipule o seu preço por hora e encaixe a qualidade da arte ao tempo comprado pelo cliente e não tenha medo de negar pedido. Se o cliente quiser ficar ajeitando a arte de 5 reias e 5 min (a não ser por erro de escrita), cobre a diferença ou desista da arte caso ele não queira pagar. Melhor perder um cliente que não te valoriza do que perder 10 clientes devido ao custo de oportunidade.

    Vai uma pergunta: Você fica mais indignado pelo valor do serviço ou pelo desprezo do cliente com o serviço? Se você entrega um serviço de R$ 5 e o cliente te enche de elogios, te chateia tanto assim?

    • Ótimas instruções as suas, na certa vou praticá-las, separando os serviços “baratos” dos de qualidade.
      Agora nem sempre cobro muito pelo serviço, tem clientes que realmente não podem e até nem precisam pagar caro por um material, aqueles que vão apenas usar na mercearia da esquina ou na divulgação de uma costureira (Tenho muitos clientes assim).
      Agora existem cliente folgados, que querem que eu tenha tempo disponível só pra eles, faça serviços que levam horas e cobre uma mixaria. Para este tipo de cliente já estou adotando métodos mais diretos, faço um estudo do trabalho, e menciono antes de começar o orçamento estimado, muitos mudam de ideia logo de cara e pedem o tau “servicinho simples”.

      Agora aqueles clientes que pagam pouco, mas são ótimos clientes, me dão até gosto de trabalhar pra eles. São pessoas que realmente sabem reconhecer o trabalho, mesmo que o serviço não tenha ficado uma superprodução.

      Estamos mudando de prédio, e me parece que vamos finalmente separar criação de impressão. Vou contanto as experiências no correr do tempo.

      Abraços a todos!

  9. Opa, só estou escrevendo pra agradecer por este Post. E dar os parabêns ao blog. Pra falar a verdade acabei de “cair” aqui sem querer, estava fazendo um pesquisa sobre perfis de cores etc… Pelo pouco que vi nos posts e nos comentarios me parece ser um site com bastante informação e de muita utilidade pra quem se interessa pela área. Li apenas este post por enquanto, pois tenho que terminar um serviço aqui ( alias é finalizar as peças que vão para meu portfólio para ir atrás de um emprego fixo). De qualquer forma já favoritei o site, e sempre estarei conferindo os novos posts.

  10. Carlos Oliveira

    Enfrento a mesma situação na minha cidade como dos colegas acima , algum tempo atrás fui chamado para trabalhar em uma empresa onde o chefe era literalmente ”louco”, certa vez uma cliente pediu para criar uma placa para seu salão de cabelo, após a finalização do serviço ela retornou a loja para aprovar ou não a arte e assim mandar para a impressão, quando o chefão apareceu, mandou desfazer todo o meu serviço, me intimidou na frente da cliente, e ainda por cima queria que eu medisse com uma régua de 30cm no monitor do computador se as letras ficariam visiveis ou não na placa – Nesta hora, confesso que senti uma fúria daquele cara misturado com riso pelo que ele tinha me pedido. Falei para ele que era doido, fui demitido e abrir um négocio proprio de design de logotipos e estamparias. E realmente falta em nossas cidades empresas capazes, com profissionais capazes que são formados para o design como profissão e chamada vocacional como pessoa.

    • Paulo Valle
      Author

      A questão de qualidade das empresas é um problema sério.
      A questão de liderança também é outro ponto importante… existem muitos chefes e poucos líderes no mercado.
      O estranho é como estas pessoas conseguem se fazer no mercado… isto deve acontecer devido a grande dificuldade de bons profissionais e no despreparo dos clientes.
      Certa vez perdi uma venda porque um indivíduo vendeu a mesma quantidade de panfletos que a que eu ofereci, só que por 2/3 do preço.
      O cliente recebeu… notou que havia menos… contou e confirmou… reclamou… e pagou mesmo assim!!!!
      Quando é que os clientes vão devolver os serviços “porcos” e “mentirosos”?
      Já aconteceu isso com vocês?

    • Bom dia Adieldson! Bom, primeiramente gostaria de agradecer pela visita no blog e pela sua pergunta que é um questionamento constante de várias pessoas que me mandam emails com dúvidas e tal. A minha formação é tecnóloga, não tenho muito o que reclamar, acho que pra quem quer começar, é o caminho. Se você já se decidiu que é isso mesmo que quer da vida, aconselho você a fazer um curso superior. Nele você terá um aprofundamento maior em todas as matérias, mais carga horária…coisa que o curso tecnólogo não faz por você. Até hoje sinto falta de ter tido uma base mais sólida no meu curso. Coisas básicas sobre história da arte, história do design, uma boa teoria de semiótica e mais uma série de coisas que busco compensar hoje. Então essa é a dica que dou pra você, espero ter sanado suas dúvidas. Qualquer pergunta que quiser fazer, estou à disposição. Até mais!

  11. Carolina

    Olá, tenho 17 anos e estou termininando o terceiro ano. Até ano passado eu estava certa que queria arquitetura, esse ano fiz vestibular pra psicologia e então percebi o tanto que eu amo computador, arte, cores e tudo relacionado a criatividade. Já ouviu essa história antes? Pois é, um pouco parecida com a sua. Só queria deixar aqui que você só me deu mais forças pra continuar querendo essa área.

  12. anderson

    Meu sonho e seguir nessa profissao, ja fiz varios cursos, e hoje domino bem corel draw e photoshop porem moro na zzona rural, e aqui nao tenho oportunidade nenhuma

    • Paulo Valle
      Author

      Anderson,
      Você já viu de onde é o Liute?
      A oportunidade a gente é que faz.
      Você pode começar a mostrar o seu serviço num blog por exemplo, mandar curriculos com indicações destes trabalhos na WEB para empresas, começar a vender arte pelo mercado livre, e similares. Procurar serviços em sites de freelancers… isto foi tema a pouco tempo no escolafreelance (cata o link no google).

      Viu quantas possibilidades eu falei em apenas 2 linhas?

      Na sua propria área pode estar carente deste tipo de serviço. Vai nos comerciantes e fabricantes da área. Mostra os seus serviços. Contacta um distribuidor como a Atualcard ou outro da sua conveniencia e começa a colocar serviços aí pela zona rural…. sem concorrência alguma e pelo preço que bem entender (já que só tem você).

      Qual dessas sugestões você agarraria?

      Querendo mais dicas para desenvolver estas idéias basta escrever.

      Abraços,

  13. Artistaaa888

    Olá, tenho 8 anos de Profissão como Designer Gráfico e Arte FInalista, ja trabalhei em Jornal de grande porte diagramando-o, hoje trabalho em uma Gráfica de Grande porte tbm, a questão de ter diploma ou não, eu nao tenho, tenho uma grande lista de serviços no meu portfólio, serviços de alta qualidade e criatividade. Trabalho com o CorelDRAW e Photoshop, ja diagramei no Pagemaker tbm, mas o Corel é onde sei usar todas as farramentas, uso desde a versão 8, hj a na x6(16), o Photoshop sei o Básico>Avançado. Minha pergunta é a seguinte: Existe uma empresa ou Agência de Altíssimo porte aqui no Brasil q vc poderia citar para mim saber mais informnações? outra pergunta, tendo em vista q eu na tenho diploma, tendo uma vasta lista de serviço, desde cartão a grandes catálogos, poderia uma pessoa com diploma tirar meu serviço?

    • Paulo Valle
      Author

      Vamos em partes.
      Existem muitas empresas de altíssimo porte.
      Definir isto é um pouco complicado, pois depende muito do tipo de cliente que esta gráfica/agência atende.
      Imagino que é nas grandes agências de publicidade, que atendem empresas como Coca Cola, P&G, Claro e outras, que devem ter as melhores mentes na área de design.
      A maioria dessas agências tem pessoas que estão lecionando pelas universidades por aí, especialmente a nível de pós-graduação, mesmo que eles mesmos não tenham esta formação convencional.
      Neste momento, vem a resposta para a segunda pergunta. Você pode perder o emprego? A custo prazo, não!
      Mas a profissão de designer acabou de ser regulamentada. Podemos considerar uma profissão nova. Você disse que está a 8 anos no mercado e usa o corel desde a versão 8. Eu uso desde a zero… na verdade aprendi no Amiga antes mesmo do corel existir. Por isso mesmo, tem muita gente no mercado sem formação universitária. Quando eu fiz a minha segunda faculdade (administração) cheguei a procurar e cursos na área eram contados a dedo.
      Hoje já existem bastante opções.
      Voltando para o lado da regulamentação. Quando uma profissão é regulamentada, primeiro pega-se todo mundo que atua na área e agrupa-se. Em seguida criam-se regras para quem vai entrar. Depois se criam provas ou burocracias para os novos entrantes e registra-se os antigos, testando a sua capacidade. Por fimfecha-se o mercado, proibindo empresas de contratarem.
      Isto leva décadas… mas no fim do processo só entra quem seguir o trâmite permitido.
      Daí eu pergunto… você vai arriscar? Vai correr o risco no futuro? É melhor ficar atento para se enquadrar de imediato…no início as coisas são facilitadas.
      Pensa no caso dos advogados, engenheiros, contadores e médicos. Você pode entrar no juri e dizer para o juiz que é advogado, sem ter a carteira? E no caso do engenheiro, contador e médico? Ainda se pode administrar sem ser administrador, mas estão fechando o cerco nos concursos públicos… no futuro vão para as empresas. O mesmo pode vir a acontecer com o designer… você vai perceber que as próprias empresas se antecipam, limitando a entrada de quem não é capacitado “oficialmente”. Afinal eles não querem investir numa pessoa que possam perder no futuro.
      Pense a nível técnico pelo menos. Ao fazer o curso vai perceber que ele vai ajudar… pelo menos para arrumar os conhecimentos adquiridos sem organização nenhuma.
      Pensa aí no assunto e não precisa ficar com medo de aparecer nos comentários… estar preocupado com o assunto mostra ter consciência de que sabe do problema e está aberto a diálogo.
      Abraços,

  14. David Lima

    Eu ainda estou em duvida sobre o mercado de trabalho , eu queria seguir essa profissão ,mas fico em duivida se teriei que abrir uma grafica ou se vou futuramente ter que trabalhar para alquem ? Como é que vcs que já atuam na area conseguiram o primeiro emprego de vcs e valeu a pena ?

    • Paulo Valle
      Author

      David,
      Está faltando profissional na área de arte final. Chove gente aqui pedindo indicação de gente.
      Porém o mercado deseja pagar pouco… a maioria dá a arte junto do serviço.
      O Salário oscila entre o salario base (cerca de R$ 900) até uns R$ 2500 para quem trabalha para os outros. Pode seguir também a carreira de freelance.
      Nessa postagem a seguir você pode ver o resultado de uma pesquisa na área.
      https://www.cardquali.com/quanto-ganha-um-designer/
      Para conseguir entrar no mercado de trabalho tem que bater perna oferecendo serviço como freelance e ganhando pouco. Com o tempo surgem ofertas “para ficar direto” na gráfica e vai se melhorando o rendimento a medida que melhora a qualidade de seus serviços. Dá para oferecer na internet também… mas acho que para quem começa, mostrar artes que já fez ajuda muito.
      Abraços,

  15. Pedro

    Olá, eu estou terminando o Ensino Médio e estou pensando em seguir carreira de Design Gráfico. Tenho algumas dúvidas sobre qual a faculdade que devo estudar e onde, exatamente, eu começo a procurar um emprego. Onde um Designer trabalha? Se puderem responder ficarei muito agradecido… Obrigado!

    • Paulo Valle
      Author

      Pedro,
      Como você viu no artigo, o designer pode trabalhar em diversas vertentes, indo da indústria a moda ou gráfica.
      Aqui no blog falamos muito da área de design gráfico.
      Vou te indicar um blog que fala bastante sobre design em geral e você poderá vivenciar um pouco o mundo do design.
      http://chocoladesign.com/
      ele tem vários links para você conhecer outros blogs e trabalhos.
      Se a sua praia for design gráfico, pode ficar aqui com a gente (www.cardquali.com) e com o Liute (www.clubedodesign.com).
      Abraços e bem vindo a carreira.

  16. bobgu

    Boa noite!Tenho uma pequena dúvida e gostaria de compartilhá-la com vcs.Sempre gostei de arte visual,adorava ficar olhando certos cartazes de publicidade e ficava admirado com o conceito e a arte ali expostos,e,mesmo adorando desenhar acabei sendo levado para outro ramo profissional que nada tem a ver com design.Bem,agora estou com 32 anos e uma vontade imensa de ingressar na área,mas,por outro lado,tenho um enorme receio devido a minha idade.Estou,todavia,pensando em fazer um curso tecnólogo de design gráfico com duração de dois anos,oq vocês me recomendam?É viável,ou por não ter experiência o ideal seria um curso bacharel de quatro anos?Nesse caso,eu terminaria a faculdade com 36 anos,o fator idade seria um empecilho para mim ou o mercado não se ateêm muito a idade desde que o profissional seja dinâmico e criativo?Será que a essa altura do campeonato vai valer a pena o esforço?Principalmente que ma causa um certo pavor sair da minha zona de conforto….

    • Paulo Valle
      Author

      Cara,
      A grande maioria dos profissionais não tem curso algum!
      Essa é uma área onde ainda existe muito autodidata.
      Inclusive dá para entrar aos poucos, criando pouco a pouco a clientela.
      Não se preocupe coma idade… eu estou com 50 anos e já entrei e saí diversas vezes da área (sou administrador, geólogo e contador também).
      Vai com calma, experimentando a área e mostrando a sua capacidade.
      Quanto aos cursos, veja a questão da sua aprendizagem… eu faria cursos técnicos rápidos (como o curso 24 horas aqui do lado) e se tivesse jeito entraria em técnicos de design (tenta o http://www.criativosfera.com) e só depois o universitário. Assim você começa a aplicar desde já os conhecimentos.
      Abraços,

  17. Bobgu

    Obrigado Paulo resolvi seguir seu conselho e começar por cursos técnicos mesmo…depois, dependendo da minha adaptação e do retorno profissional e financeiro vou investindo na minha formação mais e mais…Valeu!!!Abraços e muito sucesso pra você!!!

  18. Náthaly

    Olá Paulo,

    Bom, eu tenho 15 anos e estou no 2º ano do ensino médio, como qualquer outra(o) adolescente sempre fiquei na dúvida sobre o que eu gostava ou queria seguir futuramente como profissão; Aliás, ainda estou rs.
    Eu já pensei algumas vezes em fazer design gráfico/web design, mas não sei ao certo… Eu faço algumas coisas pela internet, nada muito extravagante e bonitinho, mas faço. Esses dias eu parei pra pensar, e acho que gosto desta área, mesmo que eu fique anos aprendendo ou usando isso como profissão, nunca irei me cansar. Ou talvez um dia… Enfim, nem tão cedo.
    Há algum tempo, eu li que é preciso saber desenhar, pelo menos um pouco, pra se dar bem na profissão, e eu não sou muito boa com isso, mas sei o básico, sempre desenhei um pouco. Queria saber mais no que o desenho afeta…
    Enfim, adorei o post, que inclusive, me esclareceu bastante coisa. Estou pensando em seguir a profissão, criatividade eu já tenho, o resto é só aprender… ;D

    • Paulo Valle
      Author

      A história de precisar desenhar é balela. Desenhar ajuda, mas desenho é algo que pode se desenvolver com o tempo. Tem cursos que ensinam isto. Você pode ser boa em desenho técnico e não saber nada de desenho artístico.
      Meu conselho é: assista as aulas gratuitas aqui do blog. Elas são incompletas,mas são dadas por um dos melhores professores da atualidade, Luite Cristiam. Entra no blog dele também http://www.clubedodesign.com
      Em seguida investe um pouco entrando nos links aqui do lado e faz o curso completo de corel e photoshop do curso 24 horas… são bem baratinhos e vão te dar uma visão completa sobre os programas. E terceiro, para aprender design entra na criativosfera. http://www.criativosfera.com.br ela vai te permitir saber mais sobre design e web design. Basta fazer umainscrição única e perpétua de acho uns R$ 100… verifica lá direito.
      Com essa 3 coisas você irá entrar bem na área e já será capaz de oferecer seus serviços para as gráficas da sua região ou trabalhar como freelance.
      Daí continua a estudar com o dinheiro que vá ganhando, fazendo cursos técnicos ou a nível superior, para conseguir atingir o mercado de publicidade e de agências, que é onde se paga melhor.
      Boa trajetória e bem vinda ao meio do design.
      Abraços,

  19. Francielle

    Muito bom saber mais sobre a área que a mais de 6 anos atuo. Mas ainda não sou formada em Design Gráfico, esse é um dos meus próximos objetivos. Desde minha adolescência meu sonho era esse de ser Design gráfico, busquei e consegui, e busco minha formação profissional nesta área.

    • Paulo Valle
      Author

      Francielle.
      O que posso dizer é continue nessa busca.
      Não sei se você já faz,mas o curso da criativosfera é muito bom e tem apenas uma taxa única.
      Ele vale por mais de 15 anos de revista Publish.
      Tendo qualquer dúvida ou sugestão pode entrar em contato.
      Abraços,

        • Paulo Valle
          Author

          A Criativosfera é um site montado por um designer chamado Canha que procurou dar mais conhecimento aos profissionais da área.
          Ele tentou fazer um modelo baseado em vídeos, com financiamento externo, mas não houve patrocinio e fechou o projeto alguns meses depois.
          A pouco tempo voltou com um modelo baseado em blog, fechando cursos por área. Eu aqui no blog incentivei a entrada de muita gente. A inauguração foi com valor simbólico de R$ 10 e conseguimos inscrições o bastante para pagar o curso por cerca de 1 ano.
          Hoje a inscrição está em torno de R$ 100 numa taxa única.
          Você se inscreve e paga só uma vez e tem acesso a todos os cursos que já existem e aos que ainda estão sendo feitos.
          Essa inscrição tranquilamente já é paga com o conteúdo dos primeiros cursos e de quebra terá um local para crescer e atualizar seus conhecimentos.
          Faça sua inscrição: http://www.criativosfera.com.br (PS. eu não ganho nada com isso, mas é tão bom que não tenho como não indicar)

  20. Alair Loureiro

    Entrei no google pesquisando sobre opiniões de quem quer mudar de profissão e encontrei vocês. Acho ótimo!!! Me ajudou ! Li todos os comentários. Muito valioso.

    • Paulo Valle
      Author

      Mais umas dicas:
      1. assistir todas as nossas aulas grátis de Corel Draw e Photoshop e o dia a dia na gráfica.
      2. Entrar também no site do Liute http://www.clubedodesign.com
      3. Depois que fizer as aulas grátis (que são incompletas) fazer alguns cursos pagos no Cursos 24 horas (link na lateral) para ter uma visão geral do software.
      4. entra no http://www.criativosfera.com.br e se cadastra lá (pagamento unico)… o foco de lá não é o uso do programa e sim a área de design em si… é excelente.
      5. depois de tudo isso vai a luta no mercado gráfico.
      6. vai testando e trocando idéia na página do facebook do dicas gráficas do cardquali e do clubedodesign… esse segundo os leitores costumam colocar as suas criações e pedir opinião dos demais leitores.
      7. Se estiver seguro faz um curso superior de design gráfico, publicidade ou comunicação visual.
      Abraços e bem vindo ao ramo.

  21. carlos eduardo

    Olá, vou começar amanha ou curso de designer gráfico aqui em minha cidade, e queria ficar por dentro de suas dicas sobre a profissão, andei lendo seus textos e gostei muito. Se vc puder me dar umas dicas eu vu te agradecer muito. Obrigado!

    • Paulo Valle
      Author

      Carlos,
      Dica numero 1 – começe devorando todos nossos vídeos sobre corel, photoshop e dia a dia na gráfica.
      Dica numero 2 – entra no site do Liute que tem mais vídeos (www.clubedodesign.com)
      Dica numero 3 – se cadastra na página do facebook do Dicas Gráficas do Cardquali e do clube do design. Nesse ultimo há muita troca de opiniões entre usuários.
      Dica numero 4 – Faça uns cursos no cursos 24 horas e avance lá mais rápido do que no seu curso de design… são baratinhos e tem o link aqui do lado.
      Dica numero 5 – Entra no curso da Criativosfera (www.criativosfera.com.br) Nele se fala mais nas questões estéticas do material e não no uso das ferramenta. É muito bom e é quase de graça.
      Dica numero 6 – Não fique apenas na teoria, pratique bastante e comece a fazer artes para vizinhos e amigos e depois vai ampliando o seu leque. Contar com experiencias próprias traz um ganho enorme durante o curso formal, pois o que vai sendo dito será coisas por que voc~e já passou. Vai abrir muito os seus leques inclusive com indicações de professores para bons empregos. Se não conseguir emprego estará preparado para trabalhar como freelance antes mesmo de completar o curso.
      Bem vindo ao nosso ramo!!!!
      Abraços,

  22. Jefferson Zapff

    Ola,
    Estou com planos de entrar nessa área de design e ja comecei um curso de designer gráfico a dois dias.
    Estou pesquisando muito a respeito e por meio desse comentário gostaria de dar os parabens, pois acho a troca de experiencias fantastica, ajuda muito mesmo.
    Quando tiver duvidas ja sei onde esclarecer as mesmas !!
    Mais uma vez parabens pela iniciativa !

    Sem mais,

    Jefferson Zapff

    • Paulo Valle
      Author

      Jeferson,
      Pode contar com a gente.
      Sugiro que entre no facebook e procure as páginas Dicas Gráficas Cardquali e Clube do design. No primeiro você vai ficar informado sobre as novidades da área e no segundo poderá trocar idéias com profissionais da área.
      Bem vindo!
      Abraços!

  23. Klayton Renan

    Olá..
    Primeiramente gostaria de parabenizar pelo post 🙂
    e quero fazer uma pergunta que ta me agoniando demais!
    Tenho de 17 anos, gosto muito de Design e quero seguir nessa área e quero saber o que devo fzer primeiro pra me preparar? que cursos devia fazer para ser um ótimo Designer Gráfico

    • Paulo Valle
      Author

      Klayton,
      Eu sugiro fazer em etapas.
      Comece sem gastar nadas aqui no blog com os cursos de Corel Draw e Photoshop ministrados pelo Liute.
      O curso não é completo mas vai te dar uma boa base para as etapas seguintes.
      Em seguida clica nos links laterais do Cursos 24 horas e faz o curso completo do Corel Draw e do Photoshop. O valor é pequeno.
      Terminado isso, entra na criativosfera (www.criativosfera.com.br) e faça os cursos de lá. Aqui o enfoque será diferente, não voltado a ferramenta em si e sim a parte de design, cores, layout. O valor também é muito baixo.
      Ao chegar nesse ponto comece a fazer trabalhos para parentes e vizinhos e através da http://www.workana.com e já vá ganhando uma graninha. Visitar as gráficas da redondeza com seu portifólio também pode dar um bom resultado.
      Até se sentir confortável entra nas páginas do facebook do Dicas Gráficas do cardquali e do clube do design e no site do Liute (www.clubedodesign.com). Ná pagina do facebook do clubedodesign é possível postar seus trabalhos para serem analisados por outros profissionais que vão dar a opinião deles do que pode ser feito para melhorar.
      Uma vez que já esteja ganhando uma graninha, pode pensar numa Universidade de design gráfico, publicidade ou comunicação social. O design gráfico é muito limitado em termos de campo. A comunicação social é a menos especializada e mais ampla. Quem paga mais é o mercado publicitário. As gráficas pagam menos. fazendo o caminho que indiquei voc~e pode ir trabalhando enquanto se forma e vai se sentir muito melhor do que fazer uma universidade de 4 anos e só no final descobrir que não gosta ou não tem jeito para o negócio.
      Bem vindo ao ramo. Faça a sua assinatura na lateral do blog e não perca nenhuma postagem (chega tudo por email).
      Abraços,

  24. David

    Gosto muito de photoshop e cinema 4D , e não sei é isso que eu quero pra mim , o
    Designer Gráfico deveria ser mais valorizado , se parar pra pensar , a “volta” ou o salário do próprio é muito
    menos do que tinha que ser oferecido .

  25. FRANCIELLE

    GOSTARIA DE APRESENTAR MEUS SERVIÇOS AQUI, SE PUDER. BOM TRABALHO A MAIS DE 3 ANOS NA ÁREA DE DESIGN GRÁFICO. ESTOU COMEÇANDO A MINHA EMPRESA E MEUS CLIENTES. SE HOUVER INTERESSE, TRABALHO COM TODO TIPO DE ARTES GRÁFICAS. COMO: CARTAZES, FLYERS, CARTÃO DE VISITA, BANNER, OUTDOOR, LOGOTIPOS E ETC… BASTA ENTRAR EM CONTATO PARA MAIS INFORMAÇÃO OU INTERESSE EM UM ORÇAMENTO, PELO E-MAIL: frangoncalves_21@hotmail.com ou Facebook: fransuzart (Francielle Gonçalves Suzart)

  26. Eu sempre gostei de design. vivia design, respirava design. Isso desde os meus tenros 7 anos de idade. Depois de um tempo entrei na área de verdade. isso foi nos distantes anos 80.
    O trabalho na agência de publicidade era bem bacana e devo admitir, aprendi bastante. depois vieram os computadores e a coisa complicou. se de um lado tínhamos ferramentas a nossa disposição para deixar a imaginação voar livre, vi rapidamente o meu cartel de concorrentes aumentar de forma vertiginosa.

    primeiro era a concorrência de igual para igual, com outros designers, vencia o melhor.
    depois veio a concorrência com os próprios beraus, gráficas rápidas, tios, primos e os sobrinhos dos clientes.
    de repente, no final dos anos 90, toooodo mundo era designer. e me lembro perfeitamente de estar conversando com um cliente de longa data que o sobrinho dele havia se tornado designer e que os meus serviços (que eram até aquela data elogiadíssimos, não eram mais necessários)

    de repente percebi que não bastava mais ter qualidade, portfolio, dar um bom atendimento, ter um ótimo briefing, jogo de cintura, e por aí vai.

    era uma questão de quem copiava direito, e mais mais rápido. sério. enquanto eu pregava que qualidade era importante, tinham milhares de pessoas copiando, scaneando e mudando uma coisa aqui e ali.

    aí caiu a ficha, que o tempo passou e eu até que evolui, mas o mercado…involuiu.

    não dá para culpar só o mercado por todos os problemas que temos, creio que é mais sincero dizer que um conjunto de circunstâncias foi o responsável pela minha desistência após 27 anos de serviços prestados ao mundo da comunicação visual.

    ao fazer um balanço de tudo, levo um susto ao encontrar com antigos amigos que naqueles anos 80 estavam se tornando funcionários públicos e eu achava aquilo ridículo. ao reencontrá-los hoje e ver que estão a beira de se aposentarem com um gordo salário, me arrependo amargamente por não ter ouvido meu pai.

    gente é sério, não sonhem com esta profissão, pois ela simplesmente não existe. e para aqueles que ainda acreditam, que pelo menos fiquem atentos e sejam honestos consigo mesmos e façam a pergunta: como vai a minha conta bancária hoje?

    uma outra descoberta que fiz é que existe uma espécie de tabela cronológica para esta profissão que na verdade é uma invenção…

    17 aos 25 anos
    Tudo é lindo, a faculdade, os amigos, aquela sensação de que iremos mudar o mundo com nossa visão criativa.
    Nesta fase ainda temos colegas, pais, tios, enfim, algum tipo de respaldo financeiro. Geralmente moramos com alguém ou dividimos o apê com alguém. como somos legais e cools, não nos importamos em dividir nosso apê com os outros ué. ser designer nessa época não é ruim. somos pessoas…criativas…vamos revolucionar tudo.

    25 aos 35 anos
    continuamos ainda acreditando que somos bebês. continuamos na luta, afinal…largar o osso agora? nem pensar. estudamos bastante para chegar a até aqui. acreditamos que aiiiinda podemos mudar alguma coisa.

    35 aos 45 anos
    a coisa complica, queremos nosso próprio canto. NADA de dividir apê com ninguém!!! ainda nos imaginamos bebês só que adultos. todo mundo foi embora. seus pais morreram, ficaram doentes, os amigos se foram…as contas como que por mágica se multiplicam diante dos seus olhos. IPTU, IPVA, CPFL, SABESP, SEGUROS, COMIGA, ROUPA, REMÉDIO, ALUGUÉL e por aí vai.
    não tem problema…você é criativo e vai conseguir convencer aquele cliente que o seu trabalho é o melhor.
    Você tenta mais uma vez e sai daquela reunião bufando, ele achou o seu preço caro, tem centenas de outras pessoas que fazem aquilo igual.
    e o seu aluguel chegou de novo, alias,…atrasou de novo…

    não tem problema…quem sabe ao quando chegar aos 100 anos e você lá velhinho o mercado mude. quem sabe…

    se eu lesse esse depoimento há uns 20 anos atrás com certeza responderia que se tratava de uma pessoa amarga, triste. também estaria imaginando que era uma pessoa incompetente, do tipo que não deu certo na vida. enfim…

    mas agora sou eu quem escrevo. espero que não me levem a mal mas espero ter salva alguém deste caminho horrível que é o design gráfico.

    • Liute Cristian

      Honestamente, depois de ler seu comentário cheguei a conclusão que não é o fato de a profissão ser ruim, é que assim como na medicina, advocacia, engenharia, é preciso entender que a vocação é fundamental.
      É quase que uma carta de terror criada para amedrontar quem quer seguir esta carreira, que hoje é reconhecida nacional e internacionalmente pelo trabalho de muitos designers dedicados.
      Eu ganho bem, mantenho minha família sozinho e vivemos muito bem… Nunca fiz faculdade, mas segui o caminho com muito esforço e dedicação, como em qualquer carreira é necessário.
      Acho que você tem que entender que se não deu certo ora você, nao significa que não dará certo pra outrem.
      Outra coisa que é importante lembrar, saber mexer em um computador e fazer “artes” em aplicativos nao te torna um designer… Será que você estava mesmo na profissão correta?
      Um abraço!

    • Paulo Valle
      Author

      Cara,
      Antes de mais nada a sua ordem cronológia está incompleta. Ela vai apenas até os 45 anos. Eu hoje estou na faixa seguinte, dos 45 aos 55 anos e creio que um ou outro leitor esteja na outra dos 55 aos 65 ou seja a beira de se aposentar.
      Passei por muita coisa do que você passou e tive muitas reviravoltas na minha carreira. Quando jovem eu montava albuns para selos e chegava e vender eles. Tudo de modo artesanal. Eu nem sabiia mais alí nascia o interesse pelos tipos de impressão na coleção de selos e os albuns eram os meus primeiros serviços gráficos. Aos 18 fui meio que coagido a fazer um vestibular e fiz geologia. Tirei só o primeiro lugar no curso e a quinta melhor nota do estado num vestibular unificado… disparei na frente da turma, passei a turma seguinte que ficava em peso no básico e quando vi tinham disciplinas com 2 professores para me dar aula particular… era na UFPE. Mesmo tendo me formado numa turma de 2 não me encaixei no mercado… e olha que é geologia… a mesma que busca petróleo no nosso país.
      Caí para o ramo de vendas, onde detive 50% do mercado de micros usados do Rio e depois ao ser roubado em casa e um breve momento de assalariado, voltei de vez ao mercado gráfico.
      Já entrei e saí do mercado gráfico uma dúzia de vezes. Fiz geologia, geofísica (mestrado), administração, contabilidade, gestão de restaurantes… tudo isso tentando um lugar no mercado e sempre volto ao mercado gráfico, de tal modo que hoje posso dizer que sou referencia a muitos.
      Mesmo com toda essa bagagem ainda está difícil. Meus pais também insistiram no trabalho público (meu pai era do Banco do Brasil e tenho muitos professores na família). Mas eu achava isso errado.
      Hoje vivemos num momento que beira a falência pública. A população vem sendo roubada a gerações em favor de uma minoria que presta serviços públicos e dos malandros que mamam na teta do estado… entrou uma turma que começou a comer as tetas da vaca e ela está prestes a morrer.
      O problema que você está passando não se trata de ser com o ramo gráfico e sim com a o país como um todo. Você podia ser padeiro, empresário, lojista, engenheiro e depararia com esse problema. Ele se deve ao modelo errado em que o país se meteu.
      Mas mesmo o pais caminhando para a mer… ainda há pessoas capazes que conseguem se destacar nos seus campos de trabalho. Quem faz o que gosta sem se preocupar com o dinheiro consegue ele. Eu seu disso pois as épocas que eu menos me preocupava com dinheiro foram as que eu ganhei mais.
      Vou te passar uma dica que pode mudar a sua vida! Faça o que gosta de fazer e dá uma lida nessas pessoas aqui dessa postagem: https://www.cardquali.com/sites-para-voce-cuidar-seu-desenvolvimento-pessoal/
      Indico também cuidar da sua vida financeira. Tem os livros do Gustavo Cerbasi e o site http://queroficarrico.com/blog/ e todos que ele indicar.
      Uma vez que você ajuste a sua vida financeira e trabalhe tranquilo você passa a controlar a sua vida.
      Não adianta reclamar ou partir para o funcionalismo público… você vai trabalhar infeliz lá, ganhando 10 mil reais e gastando 12 mil e sair reclamando do serviço que faz, igualzinho aos milhos de funcionários públicos que estão ai prestando péssimos serviços pagos a peso de ouro.
      Uma coisa que se aprende em administração é a curva de demanda. Com tanta gente querendo um serviço público eram para os salários serem bem mais baixos do que fora dele onde poucos querem trabalhar… aqui no Brasil a curva funciona ao contrário… quanto mais gente quer o trabalho público mais eles pagam… por isso vai quebrar… ele vai contra uma regra básica da natuzera que controla a população de animais.
      Eu desejo a você o momento de mudança… mude de vida… veja o que é importante de fato para você e controle as suas finanças para não se sentir mal com o que ganha.
      Abraços,

      • Um brasileiro

        Olá Paulo, grato pela resposta.
        Estou convicto que outros que viram meu desabafo amargo de meses atrás vão me achar um cara pessimista e que queria jogar areia (e de baixa qualidade) no sonho dos outros. Quero deixar bastante claro que tenho consciência que embora o mercado estivesse saturado…sim, algumas pessoas poderiam se destacar, sobreviver e até mesmo pagar suas contas vivendo de design gráfico.

        Só custou eu entender que eu não seria uma delas. Isso me deu liberdade para buscar novas opções na vida.

        Imensos agradecimentos pelas dicas dos sites que estou tendo contato e me edificando bastante.

        Você está certo, a minha linha cronológica estava incompleta e o mais importante é não se achar que se está no fim.

        Tem gente com mais idade que eu, dando show de renovação na vida. Que eu consiga fazer isso também.

        Muito obrigado

        Ed

        • Paulo Valle
          Author

          Du,
          Sei como é difícil passar por algumas etapas da vida… eu mesmo já passei por isso… é preciso muita força para vencer o desanimo.
          Há sempre tempo de recomeçar… repensar no que é importante na nossa vida e redirecionar nossos esforços em coisas que vejamos resultado.
          O que posso desejar agora é um bom recomeço.
          Se precisar trocar idéias pode nos escrever… estamos sempre dispostos a ajudar.
          Quem sabe que de respostas ao acaso dadas sobre suas perguntas não venham idéias que renovem seu espírito.
          Tem um provérbio que diz “duas cabeças pensam melhor do que uma”… eu vivo isso diariamente aqui no blog através das dúvidas dos leitores. A cada resposta sou obrigado a repensar conceitos e colocá-los em prática… e tenho certeza que minhas respostas fazem o mesmo com os leitores.
          Estou aqui para te ajudar… abuse quanto quiser.
          Abraços,

  27. Regiane

    Olá Paulo Valle,
    Estou querendo atuar na área de design gráfico, porém, tenho dúvidas.
    Meus conhecimentos de informática são básicos, sendo assim, qual o primeiro curso que devo fazer? (como pré requisito) para ter menos diculdade em outros cursos especificos da área e assim qualificar para atuar no mercado.
    Aguardo orientação para da inicio a minha qualificação.
    Obrigada!
    Atenciosamente,
    Regiane

    • Paulo Valle
      Author

      Regiane,
      Faça o seguinte percursos.
      Primeiro sem gastar nada entra no nosso blog e vai em cursos… tem umas 7 aulas minhas dadas muito rápidas e mais de 30 dadas pelo Liute que é um grande professor. Tem outros cursos de photoshop e dia a dia na gráfica e vai te dar um bom embasamento.
      Essas aulas não estão completas pois nos falta tempo para gravar tudo.
      O site do Liute tem mais alguma coisa gratuita (www.clubedodesign.com.br).
      Depois disso cogite fazer o cursos 24 horas de Corel para finalizar o aprendizado… é bem baratinho.
      Até aí você vai entender de programas… mas falta a parte de design.
      Minha indicação é fazer os cursos da criativosfera (www.criativosfera.com.br). O valor também é baixo e você vai aprender a base do design gráfico, escolhas de fontes, o encaixe dos elementos, noções de cores, etc.
      Gostando, começa a avaliar se vale a pena ou não partir para algo a nível superior. Eu indico cursos mais genéricos como comunicação social ou publicidade. Eles vão permitir ingressar na área mais bem paga do mercado que é a de publicidade… trabalhar para pequenas gráficas vai te limitar financeiramente.
      Começa e depois me fala o que achou.
      Abraços,

  28. Regiane

    Oi Valle,
    Obrigada pela atenção.
    E digo mais; sua orientação me deu um norte que vou seguir com bastante atenção em cada detalhe colocado por vc.
    Agora é organizar as metas, qualificar e direcionar para um objetivo.
    Amém!
    Obrigada!
    Atenciosamente,
    Regiane
    Obs: Vou voltar para te contar tudo e também pedir mais orientações.
    Até mais…

  29. Paty

    Olá, pessoal!

    Sou formada em Sistemas de Informação, gosto de computador, e até gosto da área que me formei, mas sou apaixonada por artes, desenhos, eventos culturais, sou uma pessoa criativa, adoro mexer com cores, combinar cores, etc. Então, sou uma pessoa indecisa e ao mesmo tempo me identifico com várias áreas, gosto de ter conhecimento elevado, e principalmente interesse em especial por essa área de design gráfico. Resolvi que não irei me especializar em áreas de T.I, mas cursar Design Gráfico e suas especializações, tenho certeza que dessa vez irei me identificar e seguir uma carreira. Pesquisando percebi que existe a graduação tecnológica de 2 a 3 anos e a graduação de 4 anos, para ingressar nesse mercado, acredito que para a empresa não terá diferença, todos os títulos são aceitáveis, mesmo com suas diferenças por um ser específico e outro generalista? No caso se eu cursar apenas a graduação tecnológica, terei grandes chances no mercado de trabalho? Como já estudei 4 anos, não estou muito a fim de recomeçar uma nova graduação de 4 anos.

    Obrigada pela atenção!

    • Paulo Valle
      Author

      Paty,
      A área de designer gráfico só foi reconhecida a cerca de 1 ano atrás e ainda falta muita coisa a ser feita para que hajam exigencias de curso.
      Hoje, o portifólio das pessoas conta muito mais do que a graduação que foi feita. Disputam em pé de igualdade os autodidatas e os profissionais com cursos profissionalizantes ou superior.
      Minha sugestão é você dar uma olhada no curso da criativosfera (www.criativosfera.com.br) e fazer alguns cursos online para uso dos programas (veja o cursos 24 horas aqui do lado) e comece a praticar. A pagina de facebook do clube do design é um bom local para ver como se comportam os designes gráficos, pois lá se troca muita informação.
      Vá nesses locais e depois me fala,
      Abraços,

  30. Na minha opinião, grande parte da desvalorização que nós profissionais de designer gráfico sofremos é por nossa própria culpa. Me refiro aqueles que entram na área acreditando serem os “divergentes” da categoria. Seres que possuem um dom extraordinário e que acreditam não precisar transparecer profissionais ou sérios, mas sim como os moleques cuja aparência mostra que são. Não vejo problema e ter um estilo próprio, mas o cliente não está interessado em saber se você é nerd, hipster, metaleiro, punk ou qualquer coisa do tipo. Tudo o que ele enxerga é um garotão despreocupado com a vida. Em nossa sociedade aparência conta e muito. Ledo engano de que pensa que não. Quer clientes grandes? Se pareça com alguém que atende clientes grandes, caso contrário você só vai atrair clientes que colocam no seu trabalho o mesmo valor que eles vêem que você coloca em si mesmo.

    • Paulo Valle
      Author

      Realmente, a aparencia conta muito.
      Mas é bom lembrar que estar muito bem vestido para um público que é mais simples ou informal pode ser um tiro no pé.
      O importante é estar vestido de acordo com o público desejado e sempre ser bem profissional.
      Não é por que você está de chinelo numa praia, atendendo seus clientes surfistas, que vai ser desleixado com o serviço deles.
      O profissionalismo independe do vestuário… mas um vestuário apropriaqdo a seu público é com certeza um ponto favoravel para seu negócio.
      mais uma observação… não coloco terno nem a pau… ele atrai clientes de grandes corporações que exigem prazo, devolvem serviços sem nem pensar, mesmo quando o erro é por conta deles e muitas vezes colocam pessoas incopetentes entre quem decide e a nossa empresa. Prefiro andar mais informal e atender pequenos empresários e profissionais liberais como eu mesmo sou.
      Um grande abraço,

    • Paulo Valle
      Author

      Amadeus,
      Vi seu portfólio.
      Trabalhos interessantes.
      Vou criar uma postagem sobre artes finalistas para pequenas gráficas (baixo custo e alta produtividade).
      É o seu tipo de trabalho? Se for manda panfletos e cartões que tenha feito essa ultima semana para eu ver o tipo de serviço que oferece.
      Abraços,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *