Concorrência Desleal – Como perder um cliente?

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 1 Flares ×

Hoje, após um longo período sem postagens, irei abordar coisas que vem ocorrendo no mercado gráfico que vem fazendo muitos saírem de seus fornecedores. Essa postagem será um retrato do atual mercado de revenda gráfica a fim de fazer com que os vendedores gráficos repensem suas possibilidades. Vamos lá?

Caso 1 – Padrão Color – Não gosto de te atender!

O primeiro caso a ser analisado é o que essa empresa vem fazendo com suas revendas pelo Rio. A cerca de 8 meses atrás a Padrão Color baixou uma norma que iria mais entregar seus produtos as revendas que morem em apartamentos, ou seja, boa parte das revendas gráficas.

Imagino que algum cliente chato fazia com que eles subissem aos seus escritórios e dessem um chá de cadeira nos entregadores, que de tanto darem desculpas a sua chefia conseguiram que baixassem essa regra estúpida.

No meu caso, o entregador tinha ordem de subir direto ao meu apartamento, me entregando o produto em cerca de 2 minutos. Não era necessário que eu abandonasse meu posto de atendimento ao cliente… simplesmente era rápido e resolvia o problema das duas empresas.

Com a nova norma, hoje eles interfonam, eu finalizo as conversas com o cliente, abaixando o nível de qualidade de atendimento que eu tinha e corro para pegar eles na portaria antes que eles partam e me deixem na mão, me cobrando duas taxas de entrega… não raras vezes tenho que pegar o carro para perseguir eles na rua para ter o meu produto.

Na melhor hipótese levamos hoje 5 minutos para completar a operação… se o intuito era ser mais rápido perderam 3 minutos no seu dia a dia… e isso se comprova pela hora que vem me entregando os produtos… bem mais tarde.

Mas será que isso acontece com todos os clientes?

Na igreja na qual minha esposa é secretária, o mesmo entregador chega lá para fazer entregas pelo mesmo preço que cobra para mim, uma revenda de anos na casa, e aguarda o pároco por cerca de 1 hora para que possam receber o pagamento.

A conclusão que chego é que a Padrão Color não gosta de mim e creio de todas as revendas. Prefere perder tempo com cliente final, sem nenhum diferencial de preço. Está colocando a frente ao cliente despreparado e com alto índice de rejeição de material.

E é por isso que hoje coloco em produção lá menos de 1% das minhas vendas, quando já tiveram mais de 90% delas.

Concorrência Desleal - Como perder um cliente?

Caso 2 – Zap Grafica – Produtos que só existem no site!

Outra que pisou na bola conosco foi a Zap Grafica. Uma empresa que eu simpatizava e que tinha alguns produtos que só ela tem anunciado, como tags com hot stamp.

Acontece que peguei um cliente que sonhava com essas tags e topei produzir a mesma para eles. No site aparece que esse é um produto que leva 5 dias uteis no processo… como o cliente precisava em cerca de 12 dias não vi por que não aceitar o pedido.

Colocado o pedido, em pouco tempo estava em analise do arquivo. Por ser um produto que eu nunca fiz, tive o cuidado de ligar para eles e pedir uma orientação no preparo da arte e depois de enviar ligar para ver se estava tudo bem, o que me foi confirmado.

Três dias depois, meio que por acaso ao acompanhar o pedido, verifiquei que ao segundo dia ele teve a arte refugada e o aviso ao invés de vir por email veio em mensagem de texto no celular e no meio de inúmeros spans que recebo não vi a mensagem entrar.

Liguei para eles e corrigi o problema. Aproveitei para explicar a posição e pedi que o pedido saísse da condição normal e passasse para a com prazo de entrega diferenciado, mesmo que eu arcasse com um custo extra. Me informaram que não seria possível, mas deixaram uma pessoa responsável pelo acompanhamento do pedido.

O fato é que apesar de enviar inúmeros e-mails durante o processo (todas sem resposta), o produto chegou ao prazo de entrega sem estar pronto… depois de muita pressão consegui que finalizassem o produto e me enviassem… pena que não sou do interior de São Paulo, local onde foi parar a produção. Só consegui descobrir o paradeiro do produto após colocar a empresa no reclame aqui (demoraram menos de 2 horas para atender a chamada do reclame aqui). Me proporam refazer o pedido em 4 dias e eu consegui um tempo com o cliente desses 4 dias.

Novamente o pedido deu problema e esticaram sem nem avisar o prazo.

No final consegui meu dinheiro de volta e perdi meu cliente (talvez definitivamente). Infelizmente não tinha outra opção.

Durante todo o processo, testei a opção de contato que eles voltassem a ligação em 5 minutos (o que não ocorreu nenhuma vez) e o chat da página (sem nenhuma resposta). Por telefone levando cerca de 10 a 15 minutos de espera conseguia falar, mas em todos os casos só obtive promessas de atendimento, na maioria me avisando que iriam verificar e voltariam a ligação (nenhum retorno)… o único canal que funciona é o reclame aqui.

Perderam o cliente logo num dos primeiros pedidos… pode ser que boa parte dos produtos só existam na extensa lista de opções. Não foram aptos a atenderem o cliente e nem atenderem direito… infelizmente.

Caso 3 – Gráfica Infinita

A Gráfica Infinita, é uma gráfica que tenta competir com a Padrão Color aqui no Rio. É uma gráfica que simpatizo, mas como as dem ais dessa postagem pisaram na bola comigo.

No inicio do namoro, ela me atendia com uma produção de qualidade, impressões perfeitas, produtos dentro do peso correto, dentro do prazo passado e com bons preços.

Me seduziram com uma proposta de pagamento que me ajudou muito no passado, pois me davam prazo, uma coisa que me foi muito necessária e por isso agradeço aqui ao Bruno.

Mas alguns problemas levaram essa boa gráfica a uma situação falimentar. Eles tinham um grande problema na área de entrega que tornava difícil manterem os clientes. Apesar de fazerem a produção de materiais com 115 g em 1 dia e 80 g em 2 dias, a entrega sempre falhava com os clientes. Descobri que a principal causa era que tinham dificuldade de atender o produto em 115 g em apenas 1 dia e tinham clientes que eles consideravam chave com esse produto. Com isso atrasavam a produção e seguravam a saída do carro da entrega aguardando o termino dessa produção.

Assim os bons clientes que não se preocupavam tanto com o prazo não recebiam seus produtos, sendo jogados para o segundo e as vezes para o terceiro dia, ou mais. Isso tudo por que visavam apenas 1 ou outro cliente “chato” que exigiam o prazo correto.

O fato é que um a um os clientes foram deixando a gráfica deixando-os em dificuldades. Eu continuei colocando pedidos devido a minha condição diferenciada de prazo.

O fato é que com o aperto nas vendas resolveram começar a diminuir a qualidade do papel e quantidade. O meu pacote típico que pesava 5,6 kg (dentro da especificação esperada) chegou a pesar apenas 4 kg mostrando essa fraude. Mesmo eu insistindo dada a qualidade que tinham anteriormente, fui perdendo clientes, ou por sumirem simplesmente ou fazendo devoluções de parte das vendas, entrando no mesmo problema financeiro. Hoje devo dinheiro a eles, ou será que não? Afinal eu pagava por 5,6 kg de um produto que pesava apenas 4 kg… mas acabei saindo deles.

As próprias atitudes deles levaram a um poço sem fim, pois hoje os clientes não confiam mais nos produtos. E a qualidade de impressão também caiu a medida que os funcionários foram ficando descontentes e relaxados.

É uma pena, mas foi por isso que deixei essa gráfica… apesar de inúmeros e-mails enviados com sugestões de melhorias a serem feitas… a direção deles mudou… mandei de novo o dossiê, mas não obtive resposta… um pena!

Como perder um cliente

Caso 4 – Se toca AtualCard!

Hoje eu produzo quase 100% dos meus materiais com a atualcard devido a uma situação diferenciada.

Para mim é pouco, pois na virada do ano passado eu tinha 70 kg diários e hoje, devido a crise, tenho apenas 25 kg diários… mas mesmo assim 600 kg mensais não é de se jogar fora.

A quantidade de erros que eles fazem é mínima. Os problemas só acontecem poucas vezes, na maioria das vezes devido aa problemas de frete (mercadorias molhadas no avião ou pequenos atrasos).

Não é que quiseram discutir uma devolução a cliente de um produto de cerca de 2 kg… a primeira em 3 meses! Será que não conseguem ver o cliente como um todo e não como apenas 1 produto?

Mas isso é um caso isolado… tenho que parabenizar o atendimento ao cliente de fazer reproduções com provas em fotos (muito útil para mim que envio 90% da produção para outros estados) e da qualidade de impressão que atingiram.

Volta e meia pisam na bola com a embalagem de produtos, como no caso de uma pasta que fiz 5 unidades como mostra para um cliente e todas as 3 vezes que repetimos chegaram lá amassadas nas bordas devido a embalagens mal feitas. Nem preciso dizer que perdi a venda das 1000 pastas devido a isso.

Mas ainda são a melhor opção que tenho e venho acumulando elogios por produtos que entrego via balcão e nem sequer vejo… é uma segurança que não tenho com as gráficas aqui do Rio… que variam muito a qualidade dos produtos.

Caso 4 – Concorrência desleal

Aqui segue uma reclamação a todos os distribuidores gráficos.

Hoje, todos os distribuidores ou aceitam todo tipo de cliente, ou aceitam clientes jurídicos sendo ou não gráficas.

Isso cria aquela situação que falei em que a minha igreja pega o produto pelo mesmo preço que eu tenho com meu fornecedor.

A AtualCard oferece poucos 10% para alguns privilegiados que se tornaram balcões de retirada… na prática vem se tornando entregadores de produtos para clientes finais a baixo custo… é alguma coisa mas não atende nem 1% do mercado gráfico gerando uma grande crise. Nem imagino o que aconteceria com essas ,distribuidoras se a grande massa de profissionais gráficos desistirem do mercado e partirem para outros mercados… simplesmente acabaria quem produzisse arte final.

Algumas já estão produzindo suas próprias artes… mas a saída em peso dos revendedores gráficos provocaria a quebra dessas empresas com a entrada definitiva das com correntes internacionais que tem sistemas de geração de arte automática (muito ruins por sinal).

Parecem não estar vendo essa possibilidade, mas pela disputa de preço que vem ocorrendo o processo já começou.

Será que não veem, que se respeitarem margens boas para as revendas, assumindo esses como intermediários, deixando de atenderem o cliente final, vão jogar os valores para cima,  valorizando seus produtos e os profissionais gráficos ao mesmo tempo?

Hoje eu pago R$ 70 no meu produto principal… tenho concorrentes de meu fornecedor aqui no Rio oferecendo o mesmo produto a R$ 60 e R$ 69 e prefiro pagar os R$ 70 por ser de melhor qualidade. Só vendo ele por estar oferecendo a valor abaixo da página da AtualCard. Se eu subo o valor deixo de vender e não posso subir pois meus fornecedores do Rio vendem ao cliente final pelo mesmo preço que tenho com eles praticamente.

Eu venho pensando seriamente em sair do mercado… apesar de ser um formador de opinião.

Será que criar uma diferenciação de valor privilegiando os profissionais da área é tão difícil assim? Bastaria cadastrar os clientes como balcões, vendedores gráficos e clientes finais e em análise… os clientes em análise teriam que ter seus produtos analisados… sendo sempre para a mesma empresa caracterizaria um cliente final com tabela de preços aumentada e se forem diversas clientes seria um vendedor gráfico ou balcão… ´muito simples e resolveria a situação.

Dando uma margem de 30 a 50% de vantagem para o vendedor gráfico já faria uma diferença enorme, mesmo que alguns clientes finais ainda batam na porta do distribuidor.

Fica aí a minha dica para que pode fazer a diferença no mercado.

Algumas empresas já vem fazendo testes em alguns produtos… falta a coragem para implementá-la. Quem sabe com esse empurrão aqui.

Conclusão

O mercado de revenda gráfica está em plena crise. Em boa parte devido ao desespero dos distribuidores gráficos.

Existe uma guerra de preços, lançando todos num oceano de mar vermelho… sugiro a urgente leitura do livro “estratégia do oceano azul”… nossas empresas estão precisando dessa leitura.

Hoje o ponto principal a ser considerado não é o preço do produto em si e sim o atendimento prestado e a confiabilidade de que se está entregando de fato o produto encomendado.

Meu site é aberto e o cliente final também lerá esse artigo… será que eles serão tão bonzinhos com o nós, representantes gráficos, estamos sendo?

Fica uma questão aí para pensarem!!!

 

Espero que tenham gostado dessa postagem… espero que a próxima não demore tanto tempo assim!

Um grande abraço a todos!

Curso de Photoshop

Você pode gostar também de:

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 1 Flares ×

30 comentários

  1. Blz, amigo, muito bom o seu post, eu tenho feito serviços com gráfica cores, e até o momento não me causou decepção um ótimo prazo de entrega é preço muito bom e grátis, o é importante pra diminuir custos, e com a futura, mas esta empresa já está deixando a desejar no prazo de entrega, mas concordo plenamente contigo, esta guerra de diminuir os preços, e tudo o que escreveu no post, desanima trabalhar nesta área.

    • Paulo Valle
      Author

      A Gráfica Cores é um dos braços da AtualCard (mesma produção, com administração e lojistica separadas). Assim como a Atualcard, tem apresentado uma das melhores impressões do país. A entrega está incorporada ao preço e em alguns produtos fica muito baixa mesmo.
      As concorrentes vem deixando a desejar e a briga tem ido pro lado do preço e não da qualidade.
      Eu sugiro a todos que comecem a pesar seus produtos e comparar com o peso ideal do produto… tem muita gente comprando “gato por lebre” por aí.
      Apenas como comparação. 5000 panfletos 10×14 cm couchê 80 g precisa pesar 5,6 kg… a atualcard entrega o produto com 6,6 kg o que me leva a concluir que estão entregando o produto de 90 g com uma tiragem de uns 5200 unidades. Tem concorrente entregando o produto com 4 kg… o que leva a concluir que estão entregando 4000 impressos em couchê 72 g.
      Quando passarmos a valorizar essas coisas e a qualidade de impressão o mercado começa a mudar… enquanto fizermos de conta que estamos levando vantagem com os “falsos” preços baixos só estaremos cavando nosso próprio túmulo.
      É uma mudança que tem que ocorrer mais no comprador do que no fornecedor… se ninguém comprar, quem faz errado fecha as portas ou é forçado a mudar de atitude.
      Eu estou comprando no mais honesto… estou fazendo a minha parte e por isso posso cobrar a minha fatia no mercado como escrito aqui nessa postagem.
      Quem quiser que se junte a mim… se tem restrições quanto a preços dos sites basta me escrever para aprender o caminho das pedras.
      Abraços,

  2. Boa Tarde!

    Paulo, entendo perfeitamente seu ponto de vista em relação ao Mercado Gráfico e o tratamento que é dado aos revendedores gráficos, na realidade o Mercado está muito bagunçado e discrepante…. Entre os próprios fabricantes tem havido uma diferença de preços em quase 100%, tenho comprado com uma gráfica e o valor é a metade do que estava acostumado a pagar aqui em São Paulo, ou seja, sou mais um que me rendi as gráficas de Curitiba. Não sei qual o motivo dessa diferença tão grande nos valores (talvez impostos), mas como você bem disse, estamos no oceano e tenho que manter as minhas vendas, por isso e somente por isso discordo de você em relação que o preço não é importante, os clientes finais não estão nem ai para a qualidade dos materiais, o que querem é o mínimo de nitidez e que o material fique “bonito” aos olhos…. Essa tal de crise bateu na porta de todos, inclusive dos fornecedores, não defendendo as gráficas fabricantes, mas se fosse eu ou você no lugar deles, com certeza faríamos a mesma coisa, pois as contas e compromissos que uma grande gráfica tem tem que ser cumpridos….

    Na minha opinião a nossa diferença se dá em arte finais bem feitas, atendimento diferenciado, equipe de vendas nas ruas, etc. assim estaremos “encontrando” os nossos clientes…. Duvido que o sr. Manoel da Padaria, vai conseguir fazer o pedido no site da Atual Card (kkk), infelizmente vamos ter que atender as pequenas e medias empresas, pois as “GRANDES” geralmente tem contratos com agencias de publicidade que já fazem os pedidos no mesmo lugar que nós fazemos…

    Essa é a minha opinião, com certeza nossos fabricantes não vão mudar por conta das necessidades que eles tem (bem maiores que as nossas), funcionários, despesas fixas e etc….

    Em 2017 temos que deixar a crise de lado (parar um pouco com os noticiários) e seguir em frente com força e guarra para mantermos nossas pequenas empresas, funcionários, nossa saúde (por conta do estres) e sobre tudo cuidar de nossas famílias…

    Pode crer a crise vai passar e quem conseguir se manter, depois vai ter muitos lucros…

    At. Rodrigo Martins

    • Paulo Valle
      Author

      Rodrigo,
      Realmente o Sr. Manuel da Padaria vai ser mais um a reclamar da AtualCard no reclame aqui após enviar sua arte em powerpoint convertido para jpg (eu recebo muita arte assim).
      A diferença no preço não se deve a impostos e sim ao volume. Sabemos que o custo de entrada em maquina fica por uns R$ 500 e se a grafica menor leva 1 semana arrumando clientes para fechar uma chapa tem que ratear o seu lucro de 1 semana entre esses 16 clientes da chapa. Já a grande fecha diversas chapas por dia e o rateio do lucro pesa muito menos para os clientes. Esse volume é o grande responsavel pela redução dos preços… quanto mais rápido fecha as chapas (maior volume) mais fácil pagar o aluguel, folha de pagamentos, etc.
      E se transforma num ciclo contínuo… quanto mais vende mais barato pode fazer e maior ficam as vendas.
      O pequeno para competir tem que pagar o preço de ser um seguidor. Precisa fechar as chapas tão rapidamente quanto o lider, mesmo com prejuizo, para conseguir entrar no ciclo de vendas de crescimento constante. A maioria não quer pagar esse preço e vão ficando para trás.
      Mas quando esses pequenos começam a vender gato por lebre é que me deixa triste… fica um mercado sujo, cheio de mentiras… ludibriando o cliente… e nós como intermediários, acabamos sendo coniventes com isso quando entregamos esses produtos para nossos clientes.
      Hoje eu rodo o meu material com a Atualcard e não é tanto pelo preço e nem o prazo. A Atualcard me entrega um produto em 3 dias aqui no Rio por um preço pouco maior do que os concorrentes locais. Eu tenho um concorrente deles aqui que me entrega em 1 dia, com o valor similar, mas o peso é sempre menor e falha com as cores e tenho outro que promete fazer em 2 dias, mas que pode virar 3, 4 ou 5 dias, com preço 20% menor e o peso é o menor de todos. Eu rodava com ele mas vinha perdendo clientes direto com essa conivência. Hoje entrego o produto feito pela Atuacard, diretamente para meus clientes, nem vejo o produto, e estou cheio de elogios no mercado livre.
      O resultado tem sido tão bom que até os produtos em que a atual tem preço bem acima do que encontro no Rio eu tenho jogado nos anuncios e os clientes tem aceitado bem. Eu percebo que eu poderia vender bem mais caro se não fossem alguns poucos concorrentes que insistem em rodar com essas graficas que entregam produtos errados.
      O meu problema não é com os clientes que fecharam… esses sempre voltam devido a qualidade. O problema é com os novos clientes que são muito suscetiveis a preço.
      Eu também acho que 2017 vai melhorar… talvez venha a ser o ano da qualidade.
      Aí a nossas artes bem feitas e nosso atendimento impecável vão começar a se destacar como merecem.
      A próxima postagem vai ser bem mais positiva… pode crer.
      Abraços,

      • Jorge

        Paulo, nesses que você diz entregar pelo mercado livre…Como você faz para seu cliente receber sem a NF da Atual card que está contida o preço de custo?

        • Paulo Valle
          Author

          Jorge,
          Hoje eu trabalho como pessoa física e não emito nota. Quando é necessário tiro por uma outra empresa amiga minha… mas a grande maioria dos clientes não quer a nota ou não faz questão dela.
          Mas creio que isso nem seja problema… com o MEI pode-se entrar como SERIGRAFICO (tem 2 ou 3 opções lá que incluem revenda de serviços) e pagar uns R$ 60 por mês e emitir as notas. Se marido e mulher usarem esse recurso podes-se emitir até R$ 10 mil em notas sem nenhum problema, o que atende a grande parte das revendas sem ter problemas fiscais.
          Esse custo vai sumir no meio das vendas.
          Eu nunca tive problema nas entregas do Mercado Livre… já vi a Atualcard entregar produtos com nota fiscal em alguns estados e não perdi cliente por conta disso.
          Você pode emitir nota fiscal eletronica diretamente para o seu cliente e enviar por email.
          Se pedir as notas para a atualcard ela emite… eu mesmo recebo varias sem pedir.
          Acho que essa preocupação vai mais para quando a empresa crescer… com o mercado fraco do jeito que está e dominado por pequenas revendas, isso não chega a ser um problema. As grandes graficas até querem emitir as notas pois precisam mostrar elas pro fisco.
          Abraços,

  3. Marcelo

    Prezado amigo Paulo!

    Seu site sempre foi uma fonte de conhecimento e MOTIVAÇÃO para eu seguir em frente no ramo gráfico, mas, confesso que este seu post foi PÉSSIMO! TE LEVANTA MEU AMIGO, não permita que a crise abale o seu dia a dia, Vá atrás de novas oportunidades, CRIE…LEIA SEUS PRÓPRIOS POSTs mais antigos e volte a fazer um post retificando tudo o que você escreveu nesse, volto a dizer, péssimo post….depressão total! VOCÊ É MUITO CAPAZ!!!! As grandes distribuidoras continuam fazendo o que sempre fizeram e uma vai destruir a outra até que permaneçam apenas as com maior investimento em ATENDIMENTO E QUALIDADE.
    MAS, entendo que o futuro do ramo gráfico está nas ações em pequenas demandas e bem focadas, ou seja, IMPRESSÃO DIGITAL….aí pode começar um novo ciclo de bureau de impressões digitais, talvez até já exista…enfim, NÃO DEXISTA, VOCÊ É MUITO BOM!!!Grande abraço e obrigado por TODOS OS posts, exceto esse último.

    • Paulo Valle
      Author

      Marcelo,
      realmente o clima ficou um pouco pesado.
      A próxima postagem vai ser mais leve e positiva… garanto.
      Mas são muitos os leitores que vem passando por esse tipo de problema no Brasil todo… com o aperto da economia muita gente está trilhando esse caminho que não me agrada.
      Não é atoa que venho escrevendo tão pouco… eu procuro escrever sempre quando estou bem motivado… e essa ano foi duro.
      Mas são mensagens como a sua que podem me motivar.
      Estou preparando outra postagem sobre assunto similar mas com outro enfoque… meio que uma resposta a essa… talvez seja ” como manter clientes felizes” ou algo do gênero… puxando as coisas positivas do ano.
      Quando eu postar me conta o que achou.
      Valeu e obrigado!

  4. Paulo, seu site é o de melhor conteudo sobre gráficas no Brasil. Ele trata a realidade do mercado de forma muito precisa. O mais importante, é que você é honesto e não fica escondendo jogo, escondendo seu conhecimento e tenta fazer com que todos melhorem! A questão principal é como um senhor do vale do Silicio falou, os mercados não são eficientes em alocar os recursos (isso é, as pessoas vão perceber quem tem um custo x benefício melhor e vão comprar destes). Os mercados são eficientes em chegar a uma conclusão, seja ela qual for, sendo que em muitos casos é uma conclusão ineficiente e ruim (como o caso das gráficas). Acredito que a unica forma de se diferenciar nesse mercado que esta quebrando é conseguir executar os pedidos exatamente de acordo com o tipo de cliente que você acredita que esteja na sua loja. Pra aqueles que querem custo beneficio, artes, que ficam agradáveis mas que não gastem muito tempo na elaboração. Pros que querem preço, artes simples e que são feitas sem esforço. Para aqueles que você sabe que ligam pra uma arte bem feita e elaborada, peça um prazo maior e faça o serviço bem feito e cobre mais por isso. Infelizmente eu acho que é a unica saída, entender a fundo o seu cliente.

    Abraço

    Henrique

    • Paulo Valle
      Author

      Henrique,
      Você está certo. É necessário entender o cliente e oferecer o que ele precisa.
      Na hora de fazer a arte existe aquele cliente de um pequeno negócio que quer ser conhecido no seu bairro ou na sua rua e pretende fazer um investimento baixissimo e existe aquele que quer ser conhecido nacionalmente e vai investir muito em marketing. Não adianta apresentar a mega proposta para quem mal ganha 10% do valor da proposta… o profissional de design deve estar ciente disso e deve atuar no nicho que se sentir mais a vontade.
      Mas agora voltando pro nosso texto… nós profissionais gráficos que atuamos no setor como intermediários, ou seja, clientes… temos a nossa responsabilidade de filtrar as más empresas limpando um pouco o mercado. Se compramos da empresa que sabemos que entrega menos e produtos mais leves e de pior qualidade, apenas por ter preços menores, estamos sendo coniventes… é como se fizessemos a mesma coisa.
      Eu creio que fiz a minha parte alertando a todos… agora vamos ver como a maioria vai agir… espero que o texto atraia comentários bons e maus das empresas do setor ajudando aqueles que querem tom ar uma decisão.
      Um grande abraço,

  5. Artur Acioli Costa

    Oi Paulo!!!

    Paulo você tá muito certo no que falo no post, por isso já tô mudando de ramo.
    Caso queira saber no qual seguimento e empresa to trabalhando manda um e-mail pra mim

    • Paulo Valle
      Author

      Artur,
      Já estamos nos falando.
      Creio que a sua opção não é das melhores, mas acho que conciliar as duas pode ser uma boa coisa.
      O ramo gráfico tem muitos vai-e-vem… ter opções é sempre bom.
      Boa sorte na sua empreitada.

  6. Jorge

    Paulo, as Gráficas onlines que se dizem serem nossos parceiros deveriam deixar o preço oculto se não tiver cadastro (igual fazem a ZAP e a Mister Print) e serem mais rígidas na confirmação do cadastro. Será que eles não entendem que somos nós que mantemos a roda girando ainda? Cliente final é só dor de cabeça pra eles e eles ainda insistem em deixar essa brecha. Realmente não consigo entender isso! Já encaminhei diversas mensagens para a Atual Card dando essa “dica”, pois no fundo eles sabem que deveriam fazer isso. Você ainda tem esperança de isso acontecer?

    • Paulo Valle
      Author

      Jorge,
      Concordo com você. Algumas até o fazem.
      Creio que poderiam tambem ter mais de 1 preço… um para o publico em geral e outros para as revendas. Você faria um cadastro com elas e depois provaria ser uma revenda… eles aumentariam o seu desconto a medida que aumentassem o seu volume de venda.
      Eu colocaria a diferença em uns 50% com cobrança de arte final em separado… daria uma boa margem para descontos progressivos e daria uma margem para as revendas trabalharem… seria bom para todos.
      O que acontece é que são muitas empresas e que pensam de forma diferente. Fica difícil fazer acertos de preços entre essas empresas e a legislação até pune quem tentar fazer.
      A atualcard até dá os tais 10% para os agentes oficiais… é um começo… isso deveria aumentar criando além dos agentes a figura das revendas.
      Eu conheço diversos agentes oficiais gostando do trabalho e ficando ricos apenas com o agentes (com os 10%). Eu me encostei num agente oficial que estava descontente e fiz ele sair de “uma aporrinhaçãso” que ganhava menos de R$ 700 por mês para algo próximo a R$ 2500 por mês só com as entregas e compras pela loja própria com pequeno desconto… a coisa funciona mesmo… mas uma margem um pouco maior ajudaria muito.
      Não precisa mexer no valor final deles (o do agente oficial) e sim no valor da loja um pouco maior.
      Mas vemos quase todos os grandes distribuidores dando tabelas especiais para os melhores agentes… já vi isso com a atualcard, futura e zap grafica… outros devem fazer o mesmo. As graficas do rio trabalham com tabelas progressivas de desconto por volume.
      Acho que o que falta mesmo é a coragem de começarem a subir os valores de venda e aumentarem a margem dos agentes e revendas… acho que os proprios revendedores compensariam os que tivessem essa iniciativa.
      Vamos ver o que acontece.
      Abraços,

  7. leandro campos

    Paulo,

    Uma dúvida, verifiquei que a atualcard envia direto para o cliente via correios e balcão de retirada.

    Na caixa tem a marca deles? O cliente final descobre que somos revenda?

    Obrigado

    • Paulo Valle
      Author

      Leandro,
      Na caixa, fora e dentro, não há nenhuma indicação de procedencia.
      As vezes eles são forçados a anexar uma nota fiscal por exigencia da receita local para liberar a mercadoria… em cerca de 500 entregas aconteceu umas 2 vezes comigo… é bem raro e só foi feito por exigencia fiscal.
      Pode trabalhar sem medo. Eu mando para o Brasil inteiro.
      Abraços,

  8. Bruno

    Paulo, infelizmente esse é a nossa realidade.
    Já sugeri para gerentes e até donos desses canais de fornecedores para agir de forma diferente com o consumidor final.
    É só oferecer uma loja para o consumidor final com preço de mercado e para nós revendedores eles ofereceriam uma outra loja com acesso restrito, dessa forma ele ganharia até mais oferecendo para o consumidor final, mas eles insistem em prejudicar nós revendedores, bem complicado.

    Por sinal, você sabe me dizer quantos revendedores existem no mercado hoje?

    Podemos fazer um trabalho juntos para mudar essa situação, juntos somos mais fortes.

    Abraços

    • Marcelo

      Gostei de ideia Bruno, podemos montar um grupo no Whats e tentar achar uma estratégia para mudar algumas coisas, porque esta um marasmo as vendas, que acha?

      • Paulo Valle
        Author

        Se quiserem o apoio do Blog estou aqui.
        Tem um movimento de uns agentes oficiais da atualcard nesse sentido… mas por enquanto é um grupo fechado… vão criar um grupo aberto, assim que fizerem eu divulgo aqui.
        Abraços,

    • Paulo Valle
      Author

      Bruno,
      A minha loja da sistograf já tem o sistema pronto para apresentar preços diferentes para cada cliente… assim pode-se facilmente ter preço de mercado para cliente final e descontos diversos para revenda de acordo com quanto cada um venda. Assim mesmo que o cliente descubra onde foi feito o trabalho, nunca vai ter a mesma situação de custo do representante.
      Isso pode ser aplicado em praticamente todas as lojas de distribuidores… é mais uma decisão deles do que de sistema em si.
      Eu não tenho idéia do numero de vendedores graficos no pais.
      A Abigraf fala em 19 mil graficas ativas no brasil, mas essa conta não inclui os vendedores graficos.
      veja o estudo aqui: http://www.setorgrafico.org.br/enquadramento_sindical/Estudo%20Setorial%20da%20Ind%C3%BAstria%20Gr%C3%A1fica%20no%20Brasil-Sebrae.pdf
      Só aqui no Blog eu tenho umas 2 a 3 mil pessoas cadastradas… minha lista está desatualizada e não sei o numero exato.
      O GPG distribuia umas 25 mil revistas se não me engano.
      Com esses numeros, entre pessoas registradas e não registradas, creio estarmos falando de umas 50 mil pessoas.
      Será que isso responde a sua pergunta?
      Um grande abraço,

  9. Bruno

    Boa tarde, Paulo.

    O negócio parece mais simples do que eu imaginava, se sua loja já faz isso na deles com certeza faz também, eles precisam olhar para os revendedores como parceiro, como amigos e parceiros, pois rodamos todos nossos trabalhos com eles, não é justo eles oferecerem para o consumidor final. Se somos 50 mil revendedores precisamos nos unir, temos a faca e o queijo na mão, não podemos deixar os distribuidores fazer o que quiser. Vamos pensar juntos em uma união entre esses revendedores, um grupo no whats, que acha? Não sei por onde começar, só acho que temos que nos unir e tentar marcar uma reunião com os distribuidores e negociar algo bom pra gente. Obrigado por enquanto. Abraços!

    • Paulo Valle
      Author

      Bruno,
      Infelizmente não é assim tão fácil. Eu já tentei fazer associações dessas com poucas pessoas, de um mesmo local ou bairro, e a coisa não funciona. O ser humano é um bicho difícil. Mesmo com todos de uma região reclamando de margem pequena e você dando o primeiro passo para aumentar preços, a maioria prefere aproveitar para fazer propaganda que tem preço melhor do que nós ao invés de vir junto na onda. Não percebem que basta eu voltar atrás que eles passam por mentirosos.
      É por isso que as coisas não mudam assim fácil… se a empresa X aceitar a sua opinião e aumentar os valores deles no site, a empresa Y vai aproveitar para tentar abocanhar uma fatia de mercado forçando a empresa X a voltar atrás. E existem leis que impedem de acertar preços… são as leis de DUPPING, Oligopólios e coisa e tal… e dá cana.
      A única solução não vem propriamente da empresa e sim dos revendedores que deveriam premiar a empresa que faz distinção não mostrando os preços e boicotar as que vendem para todo mundo… aí eu pergunto… quantos aqui sairam da AtualCard para ir para a Zap Gráfica? A Zap não mostra preços no site e enrrola um pouco para fazer o cadastro (não o bastante… acabam aceitando clientes grandes também). E como marcar uma reunião entre pessoas do Brasil todo? Você vai para Curitiba? Quem vai bancar isso? O cara da Zap de MInas e da Futura de Sampa vão para Curitiba? O cara de Curitiba vai querer dar o m ole de mostrar os segredos dele para a concorrência?
      O mercado por si só está fazendo uma coisa interessante… os bons revendedores, que vestem a camisa e divulgam a marca, estão ganhando tabelas especiais em produtos para competir com as gráficas de suas regiões. Já vi acontecer na Atualcard e na Futura, aqui no Rio, para competir com a Padrão Color que é forte no Rio, junto da Infinita, Tmx Produtos e outras. Em São Paulo tem coisa parecida em relação a cartões de visita (no rio são panfletos).
      Isso pode se intensificar, pois realmente há uma migração de representantes, buscando produtos melhores e só não faziam devido ao preço.
      Para você ter uma idéia eu pago R$ 70 num produto que no Rio já encontro a R$ 60 … faço isso devido a qualidade superior (melhor papel, quantidades certinhas, melhor impressão).
      Como falei em comentario anterior, tem um grupo querendo fazer pressão com a atual… mas se prestar atenção nos preços deles vai notar que eles já andam crescendo os preços… só não mexeram ainda na comissão de 10% das revendas… mas as tabelas especiais que estão por aí é um ensaio para fazer isso para todos. Os agentes ficarão responsaveis por filtrar representantes com descontos por produtividade… está acontecendo… mas a passos lentos.
      Imagino que quem trabalha assiduamente com a futura esteja percebendo coisa similar lá… já tive leitores falando disso aqui.
      Eu tenho acompanhado isso e qualquer coisa efetiva posso trazer para vocês… no momento o que indico é colar com alguém com a tal tabela diferenciada e faz volume… o volume economico é a maior força de mudança.
      Abraços,

  10. Gustavo Verneque

    A atualcard deu uma boa melhorada do fim do ano passado pra cá. Comprei um material segunda-feira de manhã (envelope) e na terça-feira já estava no balcão no Rio.

    • Paulo Valle
      Author

      Eu tenho usado direto a atualcard.
      A produção deles está muito rápida.
      A terceirizada que faz as entregas ainda faz alguns erros, mas em geral atende.
      Meus problema tem sido apenas localizados.

  11. Muito bom seu conteúdo. Também já trabalhei com a Atual Card, e aqui para a minha região é a que atende de forma mais rápida. A qualidade do trabalho é toa, poderia ser um pouco melhor no meu ponto de vista, mas na rapidez e agilidade na entrega não deixa nada a desejar. Parabéns pelo site e sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *