Vale a pena abrir uma gráfica?

364 Flares Twitter 357 Facebook 6 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 364 Flares ×
Vale a pena abrir uma gráfica?

Vale a pena abrir uma gráfica?

Um negócio que todos precisam.

Altos preços dos produtos.

Todos pensam… Vou abrir uma gráfica.

Muitos se dão mal.

Saiba aqui se você é um bom candidato para ter sucesso com gráfica.

Abrir uma gráfica é algo que qualquer um pode fazer. Pode-se inclusive montar a gráfica em sua própria casa. Não requer grandes qualificações.

Muitos são tentados a montar a gráfica e aos poucos vão descobrindo os problemas.

O mercado gráfico é composto por um grande número de pessoas.

Temos desde uma pessoa desempregada que vende cartões de visita até megaempresários que fazem livros e revistas em alta tiragem para serem vendidas em todo o mundo. Posso afirmar que dentre os homens mais pobres do mundo tem muitos gráficos e também dentre os homens mais ricos teremos alguns gráficos (veja o exemplo do falecido Roberto Marinho).

E quais são os perfis dos gráficos?

Vendedor gráfico

Vendedor gráfico

1. Vendedor gráfico

Neste perfil o gráfico nem precisa se estabelecer. É possível terceirizar toda sua produção.

O que faz o seu diferencial é o atendimento personalizado aos clientes através de visitas.

A arte final pode ser desenvolvida por ele mesmo ou terceirizada, não pesando muito nos custos.

A preço de hoje, considerando um produto básico (milheiro de cartão de visita 4×0), terá um custo de R$ 30,00 o qual será vendido por cerca de R$ 60,00 ou mais. Ao fim do mês, trabalhando assiduamente, terá um lucro que costuma variar de R$ 800,00 a R$ 1500,00.

Nada mal para quem está desempregado ou costuma receber um salário-minimo por mês.

2. Distribuidor

Este profissional trabalha fazendo ponte entre os fornecedores e os vendedores gráficos.

É necessário estar parcial ou totalmente estabelecido, investir em equipamentos de informática e uma boa comunicação.

Estando estabelecido pode também atuar como vendedor gráfico, aumentando sua lucratividade, mas terá um custo maior com locação e empregados.

Se não estiver estabelecido atenderá apenas vendedores gráficos tendo uma baixa lucratividade.

Distribuidor gráfico

Distribuidor gráfico

2.a. Não estabelecido

Seu custo é menor, precisando apenas investir em equipamentos de informática e comunicação.

Irá repassar o produto base de R$ 25,00 por cerca de R$ 40,00, necessitando com isto, trabalhar com 8 vendedores bons para garantir um rendimento de cerca de R$ 1200,00 ou até 16 vendedores para chegar a um rendimento de R$ 2400,00.

Assim atingirá um rendimento próximo as qualificações deste profissional.

De toda a cadeia produtiva é o profissional que apresenta maior dificuldade de dar certo.

2.b. Estabelecido

Seu custo é maior, precisando investir em equipamentos de informática, comunicação, alugueis, salários e pequenos equipamentos.

Suas vendas são vendas através dos vendedores gráficos e ao cliente direto de balcão.

Embora tenha um custo maior, pode diversificar suas fontes de renda, aumentando sua possibilidades de sobrevivência.

Caso tenha o capital de giro necessário para que passe bem pelos momentos de baixas vendas, conseguirá em média algo em torno de R$ 2000,00 a R$ 4000,00 limpos com uma baixa estrutura ou o dobro disto com uma estrutura maior.

O capital de giro é o principal risco que pode sofrer, pois os momentos de baixa temporada acontecem duas vezes por ano e podem forçar o fechamento da empresa neste período.

Fornecedor Gráfico

Fornecedor Gráfico

3. Fornecedor

Este profissional conseguiu ter equipamentos pesados para a produção.

Normalmente são gráficas antigas que vieram crescendo seu parque através dos anos ou altos empresários que entraram no mercado após estudarem a fundo o investimento necessário e o tempo de retorno.

Necessitam, no início, manter altos investimentos em propaganda e equipamentos para garantir uma alta produção e atrair grande número de distribuidores e vendedores necessários para manter a alta produção necessária.

Para manter esta pesada estrutura e grande número de funcionários precisa fazer algo em torno de 1200 milheiros de cartão por dia.

Sua ação necessita ser nacional. O mercado nacional admite um número limitado destas gráficas (na ordem de uma centena).

O fluxo de caixa é imprescindível para manter a empresa. Os rendimentos são calculados a longo prazo.

Após o fim do pagamento dos primeiros maquinários (cerca de 4 ou 5 anos após a aquisição) costumam se firmar no mercado com altos rendimentos.

Durante estes pagamentos são um negócio de alto risco.

CONCLUSÕES

Quer montar uma gráfica?

Veja um perfil que se enquadre a você e veja meu conselho.

1. Desempregado com baixo salário

Invista em venda gráfica. É necessário ter desenvoltura ao falar e bater perna para conseguir clientela.

Normalmente leva várias negativas até se tornar conhecido do cliente e conseguir a primeira venda.

Assiduidade é muito importante para fazer clientela.

Arrume um parceiro para as artes e produção e vá em frente.

desempregado

desempregado

2. Desempregado com alto salário

Você não pode ser vendedor gráfico.

Não vai te atender economicamente.

Se não se estabelecer terá altas dificuldades.

Só entre no negócio se tiver capital para se estabelecer e vontade de lutar para se tornar um fornecedor ou grande distribuidor.

Se não houver capital saia desta ou o faça apenas como quebra-galho.

3. Já possuo uma pequena gráfica

É um caso particular. Já está inserido no meio gráfico.

Más notícias: As pequenas gráficas vão sumir.

Tente se transformar num distribuidor gráfico, trazendo junto os nichos em que atualmente é muito eficiente.

Notas fiscais já sumiram nos últimos anos.

Talões monocromáticos personalizados ainda devem durar algum tempo.

Cartões, prospectos e folhinhas estão sendo engolidos pelos fornecedores a custos irreais.

Caso tenha “bala na agulha” e um bom planejamento administrativo cogite pegar um financiamento no BNDES para adquirir maquinário pesado e virar um fornecedor gráfico.

Observe que vários setores gráficos vem sumindo através dos anos, mas mesmo assim o mercado gráfico vem crescendo.

Saia dos ramos em extinção e acompanhe as áreas em crescimento.

Há muitos ninchos com deficiência no mercado. Use-os para crescer.

Caso não o faça, lembre-se da fábula dos sirís na água quente.

Se colocados na água fria e forem aquecidos devagar vão morrer.

Considere meu conselho como a água quente que vai fazer pular fora da panela!

4. Gráfica de gande porte

Se não se especializou ainda, o faça o mais rápido possível.

O mercado gráfico vem crescendo através dos anos.

Se você não está crescendo, possivelmente está no caminho errado.

A palavra do momento é PRODUTOS.

Sonde o mercado e crie novos produtos.

Atraia a clientela através de cartões e panfletos para garantir um faturamento básico e ganhe através de produtos que só você possua.

DICA: São poucos os que trabalham com envelopes coloridos ainda e tem muita procura. A recente onda ecológica está acabando com as bolsas de plástico e adotando bolsas de papel. O maior trabalho é na montagem. Também é um nicho a ser preenchido.

Pronto!

Em que perfil você se encaixa?

Está pronto para o que está por vir?

Até o próximo post e não esqueça de nos indicar para os amigos.

Curso de Photoshop
364 Flares Twitter 357 Facebook 6 Google+ 0 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 364 Flares ×

13 comentários

    • cardqual
      Author

      Sim, tudo que foi citado é real. Com uma tendência de apertar ainda mais os valores com o tempo.
      Os nichos que apontei são realmente promissores e com baixa concorrência.

      No ramo gráfico acontece um fato interessante.
      As estatisticas são melhores que a média nacional para outros setores, mas dentro do ramo gráfico tem nichos ótimos com 3 a 4 vezes a média e setores péssimos com redução de tamanho.
      É necessário ficar bem atento para o mercado, para não cair num nicho que está acabando.

      Abraços, até a próxima.

  1. Pingback: Gráfica! Por onde começar a trabalhar?

  2. estou trabalhando como representante de uma gráfica e tenho muito pedidos de cartões de visitas que o cliente precisa de tipo 100 rápidos, poderia me indicar um impressora pra poder atender esses clientes?

  3. Luiz Franco

    Olá Paulo,

    Achei seu post muito interessante mas faço uma ressalva.

    Não vejo que as pequenas empresas irão sumir.

    Como Técnico em Artes Gráficas trabalhei em grandes, realmente grandes, empresas do setor. Como Auditor Líder de Cadeia de Custódia FSC pude visitar mais de 160 gráficas em todo o país entre 2011 e 2012, das pequenas até as grandes.

    Têm se um consenso errado, principalmente entre no mercado paulista, do que é uma gráfica grande e seu futuro. Vi empresas gigantes no nordeste. Vi empresas pequenas com um faturamento absurdamente alto no Sul, Sudeste e Norte.

    A grande diferença que vejo é: Conheça seu mercado e conheça seu produto. Saiba que produto o seu mercado quer.

    Nesse próprio cenário de que gráficas pequenas teoricamente irão sumir, dou um seguinte resultado: Em 2008 apenas 0,08% das gráficas brasileiras eram certificadas FSC, hoje já passam dos 3,2%. Essa salto é incrivelmente alto, considerando que num primeiro ano, a média de custo para a certificação varia entre 4 a 8 mil reais. Inúmeras gráficas pequenas se certificaram.

    Enfim, o problema não ser pequeno, o problema é querer ser grande sem fazer grandes esforços.

    Abs!

    • Paulo Valle
      Author

      Luiz,
      Entenda o pequeno como sendo as ME que faturam menos que uns R$ 20 mil mensais. Especialmente aquelas que não se adaptaram as mudanças do mercado.
      O que você falou está muito bem dito. Existem empresas pequenas que trabalham focadas ao atendimento ao cliente e a criação de produtos para estes mercados. Estas vão longe.
      Aqui no blog enfatizamos muito a relação com o cliente, ouvindo o mesmo, e na criação de produtos de modo a atender esta clientela.
      Acho que é a primeira vez que ouvimos um auditor aqui. Se quiser trazer mais um pouco de sua experiencia, será muito bem vinda.
      Abraços,

  4. Regilayne

    Boa noite ..

    Estou querendo montar uma grafica e gostaria de dicas para impressora de cartão de visita.. se alguém puder me ajudar eu agradeço ..

  5. Olá Paulo Valle, primeiramente quero lhe parabenizar pelo blog. Simplesmente está ajudando muito com as milhares de dúvidas que tenho.
    Há um bom tempo eu venho sondando a possibilidade de abrir uma gráfica e não fazia nem ideia de como …
    lendo seus artigos vi, que a princípio, vou começar como vendedor gráfico, devido o menor investimento e meu domínio de conhecimento na área. Fiz seis meses do curso de produção multimídia pelo SENAC e pude perceber que essa, está sendo uma área que estou gostando muito de estudar, porem ainda assim eu possuo pouco conhecimento técnico para dar o ponta pé inicial.
    Existe algum curso específico, que ensine as rotinas de uma gráfica real, que ensine a manusear os softwares dando ênfase à área??
    O bairro onde moro é um bairro em desenvolvimento e o comércio local está muito amplo e crescendo muito rápido e por esse motivo vejo essa oportunidade inicial, pois não há quem faça esse tipo de serviço ainda.
    Futuramente quero trabalhar como distribuidor.
    Desde já obrigado pelo espaço e o conteúdo extremamente útil, Paulo.

    • Olá Ualace,

      Sou Técnico em Artes Gráficas pelo SENAI de São Paulo e atualmente sou consultor na área gráfica. Vou tentar ajudá-lo.

      Não sei que cidade você mora mas no Estado de São Paulo existem 4 unidades do SENAI que ministram cursos Técnicos de Produção Gráfica, com duração de 2 anos. São cursos gratuitos e que dão a titulação de Técnico. A vantagem destes cursos é que você passa por todos os pontos do fluxo operacional gráfico: Pré Impressão, Impressão (Offset, digital, flexográfica, rotogravura e processos especiais) e Acabamento. Os cursos estão nas unidades de Bauru, Barueri e em São Paulo (Cambuci “Fundação Zerrener” e Móoca “Theobaldo DeNigris”).

      Talvez, pelo que eu entendi do seu comentário, você está procurando um curso mais curto, existem os cursos pagos do SENAI, aqui em São Paulo você pode saber os cursos em http://www.sp.senai.br

      Se você não está em São Paulo, sei que em algumas outras localidades existem cursos pagos, como no SENAI do Rio de Janeiro e que passou por uma grande reformulação e creio que está com uma ótima qualidade.

      Espero ter ajudado.

    • Paulo Valle
      Author

      Oi,

      Você focou a sua pergunta muito na área de software. Nessa área encontra-se muita coisa na web. A parte comercial e de vendas também é importante. Sugiro começar pelos cursos do cursos 24 horas (pagos – tem o link aqui do lado) e os cursos dos sites do Sebrae (entra nos sebraes de vários locais pois os sites são diferentes (costumam ser grátis).
      Entre também aqui nos cursos do nosso blog e do Liute (www.clubedodesign.com) que vão te ensinar um pouco da aplicação dos softwares voltados para a área gráfica.
      Por ultimo entra no site http://www.criativosfera.com.br que vai te ensinar as bases do design… é cobrada uma taxa única perpétua de baixo valor.
      Se você está nos grandes centros dá uma olhada nos cursos do Senai.
      Abraços,

Comente o post ou faça suas perguntas aqui!