Tipos de acabamentos gráficos mais comuns

55 Flares Twitter 0 Facebook 53 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 55 Flares ×

Existem vários distribuidores gráficos fornecendo produtos padrões. Estes fornecedores oferecem alguns tipos de acabamento para seu público. Porém, os leigos não conseguem diferenciar bem como são estes acabamentos. Irei neste post explicar quais são estes acabamentos.

Quais os tipos de acabamento mais comuns

O tipo de acabamento mais comum é o refile ou corte. Necessariamente seu material deverá ser cortado, não sendo nem citado nos orçamentos.

Mas existem muitos outros acabamentos que são opcionais e podem estar disponíveis para o cliente.

acabamento - verniz localizado

acabamento – verniz localizado

Os principais são:

  1. Laminação (brilho)
  2. Verniz
  3. Laminação fosca
  4. Verniz UV localizado
  5. Vinco
  6. Dobra
  7. Corte e vinco
  8. Bordas arredondadas
  9. Montagem revista
  10. Numeração
  11. Bloco
  12. Talão

Agora vamos explicar cada um deles.

Laminação

Este acabamento pode ser aplicado em produtos com papel grosso. Normalmente é usado em cartões, postais e folhinhas.

Na laminação aplica-se um filme plástico sobre o papel usando uma mescla de cola e calor.

A camada plástica não pode ser retirada após a aplicação. Se tentarmos fazer, perde-se um pedaço de impressão e até do papel.

A vantagem do método é o aumento da durabilidade do impresso e um acabamento de brilho na impressão, realçando as cores.

Pode ser feito em ambas as faces.

A desvantagem é que pode curvar o cartão, pois as características térmicas do plástico e do papel são diferentes, provocando uma tensão entre os mesmos.

É aplicado numa máquina separada da máquina offset.

Verniz

O verniz tem a mesma função da laminação, sendo usado normalmente ou um ou outro. Sua função básica é proteger o impresso e dar brilho.

Pode ser aplicada tanto separada da impressão quanto em linha na própria máquina offset.

É um tipo de acabamento que pode ser usado em produtos de baixa gramatura (panfletos, folders) até nos de alta gramatura (cartões, postais, etc).

Basicamente trata-se da aplicação de uma tinta transparente de alto brilho (verniz) usando a mesma técnica da impressão.

O resultado é muito mais bonito, porém tende a ser menos durável. O impacto inicial é bem melhor que a laminação.

O ponto positivo é a beleza do impresso. A negativa é a durabilidade um pouco inferior a laminação.

No vídeo deste link aqui você pode ver uma máquina aplicando verniz UV.

acabamento - laminação

acabamento – laminação

Laminação fosca

É muito similar a laminação comum. Só que não apresenta brilho e tem toque com característica aveludada.

A sensação táctil é muito boa.

É usado basicamente para proteger o impresso e dar uma sensação táctil ao impresso.

Usa-se os mesmos equipamentos citados na laminação brilho.

Tem alto custo de produção.

Verniz UV localizado

Este processo é usado normalmente associado a laminação fosca.

Neste acabamento, usa-se o silk-screem para aplicar verniz somente nas áreas escolhidas.

Como resultado, tem-se um produto (sempre material grosso) com o toque da laminação fosca e o brilho somente nas partes selecionadas.

Um recurso muito interessante é usar o verniz como parte do design, brilhando onde não há nada impresso, trazendo informação a medida que se mexe com o cartão.

Por ser de aplicação quase sempre manual, o custo é muito alto.

Os produtos top de linha do mercado são oferecidos com laminação fosca e verniz UV localizado.

Vinco

O vinco é a marcação do papel para futura dobra.

Pode ser automatizado, tendo um custo baixo. É muito usado nos folders para serem dobrados pelo cliente à medida que forem usados e em postais.

Dobra

É um acabamento menos comum, pois aumenta muito o volume dos pacotes.

Este acabamento pode ser feito automatizado nos papéis finos, mas geralmente precisa ser feito manualmente, após ser feito o vinco, nos papéis mais grossos.

É usado nos mesmos produtos que no vinco, principalmente quando o cliente não quer ter o trabalho da dobra, mas isto aumenta o custo do serviço.

acabamento - corte e vinco

acabamento – corte e vinco

Corte e vinco

É um acabamento feito posteriormente a impressão e refile, em equipamento a parte, visando produzir trabalhos personalizados.

Os maiores distribuidores têm oferecido este tipo de acabamento a custo relativamente baixo, conseguindo usar uma mesma faca para um grupo de clientes.

Na gráfica tradicional a faca era cobrada a parte com alto custo. Hoje, nestes distribuidores, o valor da faca é rateado ente todos os clientes, fazendo despencar o custo. Porém existem algumas limitações que precisam ser respeitadas.

Bordas arredondadas

Quando o efeito que se quer com o corte e vinco são apenas as bordas arredondadas, não é necessário confeccionar facas. Existem no mercado equipamentos próprios para aplicar esse efeito, a custo baixo.

Alguns distribuidores inclusive oferecem este serviço gratuitamente, afetando apenas o tempo de entrega do serviço.

Vale ressaltar que podemos arredondar de 1 a 4 quinas do trabalho pelo mesmo custo, permitindo uma grande quantidade de resultados.

acabamento - alceadeira

acabamento – alceadeira

Montagem revistas

Conheço poucos distribuidores que oferecem este serviço.

Neste acabamento pega-se diversas folhas impressas e monta-se em forma de revista, alceando as páginas, grampeando no local certo e dobrando a revista no meio.

É um acabamento ainda caro e só é feito geralmente com material rodado na própria gráfica.

Usualmente, os distribuidores que oferecem este serviço tem um custo de impressão ligeiramente maior e oferecem a montagem a preços módicos.

É sem dúvida um grande diferencial de mercado, porém são serviços bastante caros para revenda. Veja aqui como ela funciona.

Numeração

Pouquíssimos distribuidores oferecem a numeração.

Normalmente não diferem muito de valor do que é oferecido pelas gráficas tradicionais.

Como é um serviço, hoje, pouco procurado, geralmente não está nas listas de preços dos distribuidores, devendo ser pedidos e cotados a parte.

Bloco

Este é um acabamento simples, pouco oferecido pelos distribuidores gráficos.

Alguns deles, detectando o nicho de mercado, oferecem impressão colorida em papel comum e entregam em blocos, direcionando o produto para atender profissionais liberais (dentistas, advogados, médicos, etc).

Com certeza é um grande diferencial explorado por poucos fabricantes.

Talão

Tal qual a numeração, devem ser sempre pedidos a parte. Raramente aparecem na lista dos grandes distribuidores.

Nele aplica-se a numeração, picota-se algumas vias, alceia-se montando jogos de várias vias, cola-se a borda e aplica-se grampos.

As gráficas tradicionais viveram basicamente de talões por muitos anos. Com o fim das notas fiscais este serviço vem perdendo espaço.

Conclusão

O cliente, comumente, busca apenas a impressão dos trabalhos, sem prestar atenção nos tipos de acabamento.

As vantagens de oferecer estas personalizações e acabamentos, aos seus clientes, é muito grande.

Ao escolher seu distribuidor, não compare apenas o preço dos impressos. Preste atenção nos tipos de acabamentos oferecidos.

O diferencial conseguido à pequeno custo pode fazer grande diferença para aumentar sua fatia de mercado.

Espero que tenham gostado do post.

Aguardo vocês no meu próximo post. Acompanhe todos eles assinando nossa newsletter.

Curso de Photoshop

Você pode gostar também de:

55 Flares Twitter 0 Facebook 53 Google+ 1 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 1 55 Flares ×

28 comentários

  1. Pingback: Guia do vendedor gráfico!

  2. Pingback: Dicas gráficas do Cardquali | Gráfica BH na WEB: cartão de visita, panfleto, banner, adesivo em Belo Horizonte.

  3. Everton

    Muito Bom, parabéns! Matéria muito bem explicada e as imagens e link´s para videos ajudam ao leitor a ter uma maior interatividade com a informação.

  4. fernanda cabral

    Bom dia!
    Poderiam me ajudar?
    Tenho algumas folhas de crepon especial (+grosso) q medem 48 x 2.50 cm. Teria q cortá-las nas medidas 0,8 x 16 cm… E’possivel me indicar alguem p esse servico?
    Grada antecipadamente,
    Fernanda

  5. Carla

    Olá
    Paulo, tudo bem?
    Muito útil suas explicações e sua boa ação em explicar tudo muito bem detalhado e de bom coração.
    Sei que algumas gráficas terceirizam alguns tipo de trabalhos manuais.
    Momentaneamente estou impossibilitada de sair para trabalhar e gostaria de pegar alguma produção para se realizada em casa.
    Por acaso o senhor sabe de alguma aqui em SP- Capital que forneça esse tipo de trabalho?
    Muito obrigada pela atenção e por favor me ajude realmente preciso URGENTEMENTE
    Abraços, que Deus o abençoe.

    • Paulo Valle
      Author

      Carla,
      Pegar o serviço com as gráficas vai ser complicado devido ao leva e traz desse material. Quem fazia acabou quebrando. É necessário uma boa estrutura de leva e traz para isso funcionar.
      Mas caso esteja mesmo precisando, começa a revender produtos gráficos. Entra numa gráfica do estilo da AtualCard e pega a lista deles e oferece com lucro para os conhecidos.
      Vai precisar apenas fazer as artes, aprovar por email, mandar para essas gráficas, receber o produto e entregar ao cliente.
      Caso nem possa sair mesmo, fazer arte final é uma boa pois tem muita gráfica precisando desse serviço.
      Revender convites também é uma boa… dá uma olhada no Mercado Livre.
      Me diz o que sabe fazer e onde você está que eu mando mais idéias.
      Abraços,

  6. Bom dia Paulo. Com seu vasto conhecimento em produção gráfica,gostaria que voce me ajudasse. Voce conhece no mercado algum tipo de cola que cole papéis laminados (fosco ou brilho). Atualmente uso fita dupla face,mas o custo é alto e a fita não segura bem.

    • Paulo Valle
      Author

      Eu acho que a cola de madeiro (a amarelinha) cola isto. Ela é muito usada em embalagens laminadas.
      De qualquer forma, dependendo da quantidade, os fabricantes de colam desenvolvem produtos para casos específicos.
      Se não conseguir um bom resultado apela e usa cola de banner… essa cola adere a superfície do material e quando em contato com outra camada de cola e plástico, se funde… é com ela que são feitas aquelas boias plásticas e a dobra dos baners…deve fazer a festa com o plastico do seu laminado… falta saber se o papel vai aguentar o tranco.
      Abraços,

  7. Celso

    Paulo! Estou querendo vender folhinhas e calendários de diversos tipos e modelos.
    O que vc sugere
    Qual a margem de lucro que eu posso jogar?
    Qual a melhor época para iniciar a venda desses produtos?
    A impressão tipográfica ainda é recomendável?
    Muito obrigado pela sua atenção

    • Paulo Valle
      Author

      Celso,
      Esse é um produto sazonal… só é vendido agora e creio que você esteja até meio atrasado.
      Ele era feito tradicionalmente com tipografia, mas caiu em desuso.
      As graficas como AtualCard e similares tem esses produtos para oferecer aos clientes totalmente personalizados. Eles fazem em offset a cores.
      Entra no site deles e dá uma olhada.
      Abraços,

  8. Patricia Soares

    Sou do Rio de Janeiro, e estou precisando de empresa que faça aplicação térmica de verniz, resina em papel no formato 66×96, pode me indicar alguém?

  9. Ronald

    Ola amigo, boa noite, vou começar agora nesse mercado e adquirir uma bizhub c250, vou trabalha com cartões e panfletos e algumas outras coisas, fiquei ainda com um pouco de dúvida em relação ao verniz, vi que tem muitas maquinas envernizadoras, mas o culto delas também e bem alto, tem algum jeito de eu enverneziar os meus cartões e calendário manualmente com spray ou algo do tipo ?
    Ou existe algum tipo de papel que já venha com uma qualidade boa que não precise envernizar. .
    Obs: Vou trabalhar com cartões com papel triplex 250g e panfletos papel couche.

    • Paulo Valle
      Author

      A Buzhub C250 é uma boa maquina com um bom custo. Meu atual fornecedor trabalha com uma dessa… eu prefiro a linha Ricoh, mas a Bizhub é a concorrente mais próxima.
      O envernizamento é um processo caro e com poucas opções. Fazer manualmente não dá certo. No ramo de fotografia até tem umas maquininhas para ajudar nesse processo mas não é muito prático.
      Em termos de custo você consegue laminar profissionalmente gastando algo em torno de 6 mil em maquinário, mas para envernizar vai gastar uns R$ 20 a 30 mil no mínimo. Tem umas máquinas voltadas para fotografia que servem para isso.
      Já falei algo sobre elas nas postagens: http://www.cardquali.com/maquinas-para-envernizamento-de-produtos-graficos/ e http://www.cardquali.com/ips-rio-encontrei-na-feira/ (na parte que falo da IssSuprimentos).
      Creio que em tiragens pequenas não é necessário envernizar… mesmo tendo a bizhub ainda vai sair mais barato rodar cartão a milheiro nos grandes distribuidores… a qualidade deles vai ser superior por menos custo pois usam equipamentos de valores bem maiores.
      Tenha em mente que vai atender com essa maquina aquele público de “ultima hora” e não dá para dar a alta qualidade com a pressa que eles tem.
      Não citei mas é bom frizar que o verniz UV local é aplicado via serigrafia e com uma tela comum, verniz UV e um forno UV (esteira com lampadas uv e calor), pode-se fazer o envernizamento manual por cerca de uns R$ 10 mil e muito trabalho. Normalmente é indicado apenas para o verniz local pois a aplicação em grandes áreas dá problemas técnicos.
      Os caminhos são esses… tendo mais duvidas basta me contatar.
      Abraços,

  10. Leide

    Vc sabe me dizer no acabamento manual de sacolas qual é o tempo para fazer 1 milheiro já colocando o ilhos e as alças
    Recentemente peguei p fazer por 50 reais o milheiro e demorei 3 dias em 2 pessoas não é possível que demore tanto assim ou é isso mesmo

    • Paulo Valle
      Author

      Leide,

      Eu já passei por situação parecida fazendo revistas.
      No inicio nós montavamos revistas fazendo todo o procedimento de alceamento, dobra e grampo do inicio ao final… o resultado é que faziamos umas 100 revistas por dia. Eu me baseei nas técnicas que vemos no filme tempos modernos do Chaplim em que cada funcionario faz apenas uma operação e o ouitro funcionario vai complementando… assim eu coloquei os funcionarios um para alcear, outro para dobrar e outro para grampear… passamos de imediato para 500 revistas por dia e logo, logo estavamos fechando umas 10 mil em apenas 3 dias.
      O mesmo vale para o seu processo… faça uma dobra em várias sacolas, depois passe para a segunda dobra, depois passe a cola, feche a aba, e por aí vai. Quanto menos movimentos das mãos e rodadas nas bolsas, menos tempo se leva.
      Acontece que quando você fecha uma bolsa apenas você é obrigado a girar e rodar a bolsa repetidas vezes e esse movimento leva mais tempo do que fazer várias de modo seguido (além de doer as costas esses movimentos). Isso faz cair o rendimento.
      Fazendo movimentos repetitivos há menos movimentos e se ganha produtividade… alguns passos como a colagem pode-se colocar diversas bolsas uma sobre a outra com um leve deslocamento e passar a cola com um rolinho em várias abas ao mesmo tempo e vir virando uma a uma em sequencia. Cada segundo economizado vira um grande montante no final do processo e o trato repetitivo das tarefas faz o operador ficar cada vez mais rápido no procedimento.
      Para acabar com o aspecto psicologico do operador de sempre fazer a mesma coisa, troque eles de posição de tempos em tempos… assim acaba aquela coisa de um achar que tal posição é pior que a outra (todos passam em todas posições)… com o tempo vai notar que cada um vai preferir uma posição específica e vai ganhar com isso.
      Faça também lotes menores, digamos de 100 em 100… assim as bolsas finalizadas vão apareccendo e o moral vai creswcendo rapidamente.
      Confesso que quando propus a mudança tive um bloqueio por parte dos funcionarios… eles duvidavam do progresso. Eu simplesmente peguei um lote de bolsas e joguei num canto, fiz eu mesmo o processo repetitivo proposto de modo que todos vissem o que eu estava fazendo (e aguentando a gozação deles), e passei fase a fase até apresentar um lote pronto numa fração do tempo que eles levavam… logo as gozações mudaram de sentido e todos adotaram a nova técnica pelo meu exemplo…. a constar eu fiz 100 bolsas no tempo deles fazerem 10 bolsas. A diferença de produtividade é brutal… experimente no seu caso e comprove… esse é um ensinamento dos primeiros administradores que montaram fábricas como a ford no inicio do anos 1900 e que funciona até hoje, mesmo tendo robos hoje trabalhando. Não há por que não testar métodos comprovadamente funcionais quando é o caso.
      Abraços,

  11. Sandro

    Olá, muito boa a matéria.
    Na laminação que aplica-se um filme plástico de Polietileno (PEBD), sobre o papel de gramatura aproximada de 180 a 200 pelo processo Coating, qual a cola mais indicada para que ocorra a Ancoragem correta (para não delaminar)?
    Caso saiba, poderia indicar algum fornecedor dessa cola?

    Obrigado

    • Paulo Valle
      Author

      Sandro,
      Nosso blog é bem generalista. Essa sua pergunta é altamente específica.
      Sugiro procurar os fornecedores para a sua maquina e consultar eles… esse tipo de informação vai variar de maquina para maquina pois as temperaturas e pressões de cada maquina difere.
      Em muitos casos precisa fazer até testes de ajustes com a cola comprada, pois a quantidade de possibilidades é muito grande.
      Falando qual é a sua maquina e em que local você está eu posso tentar filtrar um pouco os fornecedores para você… se quiser ir direto a fonte procura o http://www.guiadografico.com.br e acha fornecedores de cola e de filmes para laminação… eles tem uma lista de fornecedores bem completa.
      Abraços,

  12. Olá,
    Muito legal a didática das explicações, ajuda a entender um pouco a grande complexidade que é o processo gráfico.
    Temos um site de vendas de produtos graficos online, estamos tendo uma boa resposta quanto ao atendimento e qualidade. Agradeço se puder compartilhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *