Intraempreendedorismo – Você tem?

17 Flares Twitter 0 Facebook 15 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 17 Flares ×

O sonho de muitos brasileiros é ter o seu próprio negócio. A maioria esquece que ter o próprio negócio significa enfrentar diversos problemas, os quais a maioria desiste assim que eles ocorrem. Mas, será esta a melhor opção? Conheça o intraempreendedorismo!

O que é intraempreendedorismo?

Consultando a Wikipédia encontramos que intraempreendedorismo é empreender dentro da própria empresa. É uma forma de empreender, minimizando os riscos, pois já há uma estrutura de suporte as novas ideias.

Mas há um ponto importante a observar. Para que ele ocorra tem que haver a vontade de empregados e empregadores de mudar o “status quo” da organização, criando o ambiente perfeito para que o intraempreendedorismo floresça.

Lá na Wikipédia também encontramos que o conceito foi criado em 1985 e que poucas empresas ousaram implementá-lo.

Nem preciso falar que as empresas que “pensaram fora da caixinha” e colocaram em prática o intraempreendedorismo, hoje são empresas de destaque em seus ramos.

Nestas “empresas vencedoras”, a empresa passou a assumir uma posição de liderança, com altos ganhos de seus investidores, e os empregados conseguiram alcançar salários em valores tão altos que dificilmente conseguiriam empreendendo por conta própria.

Houveram ganhos para empresários e para os intraempreendedores.

Que tal entender um pouco mais disso?

empreendedor interno

O empresário empreendedor

O empresário tem que ter posição de destaque no processo de intraempreendedorismo.

Todo o ambiente inovador é fornecido por ele. Tem que ser disponibilizado recursos para estimular inovação, programas de incentivo aos funcionários, pessoas para captar as ideias e colocar em prática, absorver os prejuízos das tentativas fracassadas (é aqui que a maioria dos empresários foge).

Criar o ambiente inovador pode em primeiro momento significar despesas. Uma simples embalagem inovadora de plástico, que reduza as perdas no transporte, pode custar apenas uns centavos nos custos finais, mas possui uma forma que custa muitas vezes milhares de reais.

No ramo gráfico, um processo inovador de relevo na sua offset, pode significar muitas horas de máquina parada durante os testes. Você quer arriscar isso? Não! E se no futuro puder cobrar 15 a 20 vezes o que recebe por hora de máquina, neste serviço inovador, que leva o mesmo tempo de máquina das suas impressões normais! Já mudou de ideia, não é?

Em empresas como a 3M, um empregado tem uma ideia, expõe para um conselho. Se aprovada, é liberado uma verba para desenvolver a ideia, tempo livre para o funcionário diário para desenvolvimento e utilização dos recursos (maquinário) da empresa. Os prejuízos são arcados pela empresa e parte do lucro é dado para o funcionário. O resultado é que a 3M é a empresa mais inovadora do mercado e tem muitos milionários trabalhando nela. Hoje, raramente tem prejuízos, pois mesmo quando se tem  um fracasso, logo aparece outro intraempreendedor para bolar um uso para as sobras da tentativa fracassada. Você já usou um post-it? É uma super cola que fracassou e alguém teve a brilhante ideia dos papeizinhos de recado.

Em  resumo, Cabe ao empresário criar o ambiente que permita aos empregados intraempreender, arcando com estes custos, para no futuro aproveitar as benesses das ideias de seus funcionários.

O empregado empreendedor

Muito empregado se recusa a dar ideias em suas empresas, de maneira a no futuro criar sua própria empresa e colher os próprios frutos.

A maioria destes não tem nenhum conhecimento administrativo ou não conhece nada de processo. Com isso as empresas criadas acaba fracassando e o empregado fica com muita dificuldade de voltar para o mercado de trabalho.

No ramo gráfico você já deve ter visto a novela em que um empregado junta um dinheirinho e consegue comprar uma pequena máquina offset. Coloca ela no quintal de casa e começa a fazer serviços “por fora” roubando um pouco da sua clientela. No final, o tempo que ele acha que é uma boa e te “deixa na mão” e vai montar a sua própria empresa informal.

No começo acha até legal e acha que está no lucro. Você cobrava R$ 10 o milheiro de impressão e ele ganha mais que o salário dele anterior cobrando uns R$ 8 o milheiro.

Daí começam os problemas! Saídas para comprar material, bancar erros de produção, quebras no maquinário, falta de um décimo terceiro e de férias, clientes fugindo devido a falhas nas entregas e atrasos devido aos problemas.

Não demora muito e está batendo na porta do antigo empregador e vê sua vaga preenchida por outro que fez a mesma tentativa numa outra oportunidade.

Eu não quero que você passe por isso!

Se a sua empresa te estimula a crescer junto dela, por que sair?

Se ela não te estimula, existem outras que o fazem!

Uma boa dica para você, candidato a empreendedor, é levar ao conhecimento de seu chefe a sua ideia de empreender. Sugerir as mudanças necessárias e os benefícios para a empresa e para os empregados. Tem medo de ser mandado embora? Você não estava a um “pé” de fazer isto a uns minutos atrás? Vai perder o quê?

O máximo que pode acontecer e cair nas graças do seu empegador e ganhar um aumento por estar disposto a ajudar.

Muitos empresários gostariam de ter empregados que ajudem no crescimento da empresa. A quebra da barreira empregado/empregador pode ser muito vantajosa para você!

Tente! Se você já ia sair, não vai perder nada com a tentativa!

Você tem medo do intraempreendedorismo dos seus funcionários?

Empresário! Qual é o seu maior problema na empresa?

O meu sempre foi não ter pessoas que dessem boas ideias para os problemas que vinham ocorrendo.

Lembro certa vez que reuni meus 8 funcionários para uma conversa em busca de ideias para resolver nossos problemas na empresa. Ninguém falava nada! Um verdadeiro cemitério!

Tentei, 1, 2 , 3 vezes. Numa quarta tentativa começaram a surgir ideias aparentemente simples, mas que resolviam partes dos problemas com baixíssimo custo e que me tinham passado despercebidos.

Quando comecei a bonificar estas ideias, foram surgindo mais e mais ideias e comecei a faturar mais.

Eu até quebrei, mas não foi devido ao desempenho de meus empregados. Foi devido a minha sócia (e esposa) que confundiu uma separação com a dissolução da empresa. Ela era responsável pelas vendas e não consegui substituir ela, pois ela era ciumenta com sua clientela e boicotava os vendedores que eu colocava. Saiu ela e o telefone que tínhamos na época para contato. Quando consegui colocar um novo telefone (8 meses depois) a empresa já estava falida… coisas da época em que telefone era um bem de consumo caríssimo e a inflação subia nas alturas.

Hoje, se eu quiser montar de novo uma empresa, garanto que muitos desses funcionários e ainda muitos outros de outras empresas que conheciam nosso processo, viriam trabalhar comigo de novo. Quem sabe não acontece!

Fugi um pouco da ideia central para que você compreenda que estimular o intraempreendedorismo não é uma coisa ruim. Mesmo que outras coisas ocorram, os benefícios do intraempreendedorismo são evidentes e é uma tendência que as empresas mais inovadoras sobrevivam e as que tem medo do intraempreendedorismo acabem por fechar as portas.

Perceba bem: inovação e intraempreendedorismo trabalham juntos! O empresário não consegue inovar sozinho! Ele precisa do intraempreendedorismo de seus colaboradores para inovar sempre!

subindo cargos através do intraempreendedorismo

Empregado! Será que montar a sua própria empresa é uma boa?

Empregado! Já citei a pouco o que acontece com aqueles que saem da empresa sem uma boa estrutura montada.

Montar a sua empresa não significa apenas saber operar determinado equipamento ou saber administrar, sem entender o negócio.

Ema empresa tem que ter gente no controle (administração), ter recursos financeiros (não apenas o dinheiro do equipamento), saber produzir e saber vender.

Por isso que a maioria das empresas tem sócios!

Cada um traz para empresa a sua especialização. É a máxima da expressão: “unidos venceremos”. Se cada um deles tentasse abrir uma empresa sozinhos, certamente fechariam as portas em pouco tempo, mas juntos, embora dividindo os lucros, aumentam as chances da empresa dar certo.

E você? Tem associados no seu projeto? Pensou em todas as possibilidades? Ou está pensando em levar a empresa no tranco? Cuidado! As portas podem se fechar para você!

Será que não é melhor empreender dentro de sua própria empresa e virar um dos “sócios” dela? Te adianto que isto não é tão raro assim de acontecer! Conheço vários casos em que isto acaba acontecendo!

Ambiente favorável ao intraempreendedorismo

Agora que já entendemos um pouco do que é intraempreendedorismo, o que fazer para que o ambiente fique favorável?

Comece estabelecendo uma verba pequena para um programa de intraempreendedorismo. Esta verba deve ser dividida em custeio das tentativas e premiação aos intraempreendedores.

Definida a verba, escreva numa planilha seus faturamentos e lucratividade dos últimos meses para servir de parâmetro. Descubra como anda seu crescimento. Tente fazer um gráfico para “visualmente” entender as mudanças. Como dica faça um gráfico mensal (que vai oscilar muito) e um gráfico anualizado pelos últimos 12 meses, ou seja, em dezembro mostrar a soma de jan a dez, em janeiro mostrar de fev a jan e assim  por diante. Este gráfico vai oscilar menos e permitir notar o verdadeiro crescimento nas vendas.

Com as contas feitas defina um percentual do faturamento ou da lucratividade para seu programa de intraempreendedorismo. Do mesmo modo que você faz (ou deveria fazer) com a sua verba de propaganda.

Feito o plano, anuncie aos empregados e aguarde. Se necessário reforce o anuncio várias vezes. A ideia é deixar claro aos empregados quanto você está gastando com o desenvolvimento das ideias e a distribuição dos resultados com os empregados. Os mais intraempreendedores vão começar a apresentar ideias. Se não surgirem, comece a avaliar seus empregados se realmente foram bem escolhidos (acontece, né?).

Feitas estas mudanças iniciais, é só seguir o plano realimentando ele de tempos em tempos. Os gráficos de faturamento e rentabilidade vão te ajudar a avaliar os resultados.

O quanto vai gastar em cada projeto e o tempo de desenvolvimento, você vai definindo pouco a pouco. Tente ser acessível aos colaboradores. Não é raro ter gerentes que inibem o intraempreendedorismo. Vai ser bom para você entender melhor a sua empresa e não apenas entender a empresa que seus gerentes “vendem” para você!

Grandes inovadores sempre vão ao “piso da fábrica” para conhecer os problemas e encontrar as soluções!

Conclusão

Pronto para implantar um programa de intraempreendedorismo em sua empresa?

O quê? Você é empregado? Que tal intraempreender, sugerindo este programa em sua empresa? Chega pro seu chefe e fala que leu um artigo “maneiro” sobre intraempreendedorismo na internet e mostra este artigo para ele!

Com  isso você pode mostrar que é esforçado, se mantém atualizado e está apto a alçar voos mais altos na empresa!

Não vou te dizer para não abrir sua própria empresa! Hoje eu estou abrindo a minha!

Mas, não pense que é fácil e esgote as possibilidades em sua empresa atual antes de partir para o plano B.

As estatísticas mostram que 95% das empresas não chegam a 5 anos de existência (mais de 50% morrem no primeiro ano). Não vai ser diferente com você se você não se estruturar bem.

Não há números a respeito do intraempreendedorismo, mas conheço inúmeros casos de pessoas que intraempreenderam, galgando posições na empresa até se tornarem sócias do negócio. Não é uma coisa rara de acontecer.

Seja um caso desses também!

Espero que tenham gostado deste post.

Até a próxima!

Abraços a todos!

Curso de Photoshop

Você pode gostar também de:

17 Flares Twitter 0 Facebook 15 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 17 Flares ×

6 comentários

  1. Marisa

    Na teoria é tudo muito bom. Mas fui demitida por ser pró-ativa “demais”.
    Por não me ouvirem; numa ideia muito simples; perderam dinheiro; tempo; clientes.
    Precisaram cortar gastos… Advinha pra quem que sobrou?
    Me sinto punida e estúpida por ter me importado com o projeto deles. E agora?

    Ligar o “dane-se” e preservar o meu emprego não teria sido melhor opção?
    Como me envolver com o intraempreendedorismo novamente?
    Em tempo: o maior causador dos prejuízos; com suas ideias mal pensadas; continua lá…

    • Paulo Valle
      Author

      Marisa,
      Como falei na postagem, o processo de intraempreendedorismo depende muito dos proprietários da empresa. Eles são responsáveis pelo ambiente propício ao intraempreendedorismo.
      Agora vamos ao seu caso.
      Se eles estão perdendo tempo, dinheiro, etc, estão cometendo erros de processo. Já que você foi mandada embora, por que não começar a atender os clientes insatisfeitos levando serviços de outras empresas como a AtualCard ou outras a sua escolha. O seu diferencial pode ser justamente o atendimento. Caso você não faa as artes, pode conseguir pessoas dispostas a entrar nesse negócio com você e partir para cima destes clientes. Aproveite este primeiro momento que deve estar recebendo o auxilio desemprego e trabalhe focada na formação de uma carteira de clientes, quase sem precisar de investir dinheiro. Ou seja, monte sua própria empresa e vá a luta.
      Se serve de consolo, estou passando por uma situação muito similar a sua. Acontece que já criei um ambiente favorável antes mesmo de sair da empresa e estou estruturando um negócio próprio.
      Se você for do Rio, me contacte, pois estarei em breve fazendo um negócio na área gráfica e com certeza precisarei de pessoas pró-ativas neste negócio.
      Abraços,

  2. Pingback: Feliz Ano Novo!

  3. Pingback: O Universo conspira a nosso favor! Aproveite!

  4. Pingback: Movimentando as vendas

  5. Pingback: Automotivação: A diferença na sua carreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *