Gráfica! Por onde começar a trabalhar?

13 Flares Twitter 0 Facebook 11 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 13 Flares ×

Eu estava procurando uma ideia para artigos e ao visitar o google analytics descobri que uma das dúvidas mais frequentes dos leitores batia no nosso artigo: Vale a pena abrir uma gráfica. Por isso hoje iremos dar umas dicas para aqueles que desejam entrar no ramo gráfico, mas que ainda estão em dúvida sobre como fazer isto.

Antes de mais nada

Antes de passar as dicas é bom frisar que em qualquer mercado que você queira entrar, é bom ir com calma e aprender com quem já está no mercado.

Muitos entram achando que sabem mais do que todos e fazem contas superficiais que tecnicamente os deixariam ricos em pouco tempo.

Não é bem assim! Todo mercado é limitado! Ou seja, vai ser disputado com os mesmos clientes.

Com isso é normal para aqueles que estão entrando, começarem trabalhando com preços irrealmente baixos, prejudicando o mercado e fechando as portas de possíveis fornecedores.

Daí o candidato a gráfico achar que é um mercado fechado… na verdade ele mesmo fechou o seu mercado!

Lembre-se! Entre para somar qualidade ao mercado e não para acabar com ele… afinal ele é o seu futuro!

Não entendeu? Cobre caro e tenha paciência para esperar a sua carteira de clientes crescer.

Dá uma olhada nesse vídeo aqui: Desabafo de um designer!

grafica vendedor representante

Entendendo o seu perfil

Se você pretende entrar no ramo gráfico é sinal que você tem alguma afinidade com ele!

Podemos separar alguns perfis típicos de candidatos, que podem inclusive se somar.

O arte finalista iniciante é aquele que conheceu o uso dos programas gráficos e começou a fazer uma artes bonitinhas e gostou do ramo.

O administrador é aquele que tem veia empresarial, viu que é relativamente fácil entrar no meio gráfico, dada a grande gama de fornecedores e a baixa necessidade de adquirir equipamentos no inicio do negócio… ou seja, percebeu que dá pra trabalhar de casa.

O vendedor é aquele que tem jeito para vendas e percebeu o grande potencial de vendas nessa área, já que praticamente qualquer empresa ou indivíduo pode vir a ser um potencial cliente. Não entendeu? Toda empresa trabalha com papel e todo mundo um dia vai casar, fazer uma festa que precise de convites ou vai fazer algum tipo de evento que precise de cartazes e entradas.

O gráfico é aquele que de um jeito ou outro começou a trabalhar como gráfico ou está fazendo algum curso técnico e já sabe operar algum dos equipamentos gráficos, mesmo que apenas superficialmente. Aqui vale incluir operadores de offset, fotolito, guilhotinas e máquinas de acabamento.

Eu posso ter esquecido algum perfil, mas basicamente lembrei destes: Quem vende! Quem administra! Quem cria e prepara o material! Quem finaliza o produto!

A importância de perceber estes perfis é que se você não possui todos eles, terá que achar alguém que supra a sua necessidade nesse setor.

Você conseguiu definir qual o seu perfil?

Procurando sócios

O primeiro passo para entrar no ramo gráfico é a procura de sócios.

Tá certo! Você pretende trabalhar sozinho!

Mas quando eu falo aqui em sócios, não me refiro a pessoas para fazer uma sociedade de fato com você e sim fazer parcerias onde um complemente a deficiência do outro.

Essas parcerias podem até vir a se tornar uma sociedade no futuro, mas no momento inicial são apenas parcerias!

Não confunda com os fornecedores. Os fornecedores não precisam necessariamente de você! Você é um mero cliente! Não tem nada a oferecer para eles!

Na parceria, um acaba por depender do outro para complementar suas fraquezas.

Então, seguindo este raciocínio, se você sabe fazer arte final mas não se dá bem em se relacionar com pessoas, precisará de um vendedor para as suas artes e também de alguém para produzir este material e por que não dizer de alguém para manter as contas em dia.

Você pode até ficar em casa só fazendo arte final para vários vendedores e mandar estas artes para um fornecedor. Mas vai ter que se associar a alguém!

Você vende bem? Vai precisar de alguém para fazer as artes e alguém para produzir! Precisará também de alguém para formatar a sua tabela de preços para não se dar mal na hora de vender ou de dar descontos! Cansei de ver vendedor “trocando figurinha” no mercado, achando que tem lucro, mas o lucro mal supria seu custo básico para visitar os clientes. É muito fácil esquecermos o ônibus, os cafezinhos na rua, a roupa do corpo para ficar apresentável… no final tudo pode se tornar custo!

Comprou sua offset e já começou a oferecer serviços? Já pensou que se você for a rua vender, perder tempo fazendo suas próprias artes finais e ainda rodar os serviços, seu custo vai ficar muito alto e mal vai dar para pagar as prestações da máquina.

No mínimo você vai precisar de muito vendedor e arte finalista mandando serviços para você! É por isso que você precisa de parcerias! Manter a frequência de trabalho é muito importante!

Sua praia é administrar? O mercado gráfico está super carente de pessoas com visão administradora. Quando eu trabalhava no meio gráfico, a coisa mais comum era vir vendedores “pescar” ou “roubar” minha tabela de preços para poder trabalhar. Mal eles sabiam que o meu preço não refletiria a situação real deles.

No final eles prejudicavam a eles mesmos e aos demais gráficos. Os mais espertos majoravam o preço de maneira a cobrir os seus custos e até se tornavam bons parceiros… nem precisavam roubar a tabela! Pediam para que eu fizesse uma para eles e ainda ganhavam um belo desconto nos meus trabalhos e artes. Tinha até chorinho na hora dos erros, dividindo assim os riscos! Melhor para os dois!

grafica fornecedor entrega

Definindo fornecedores

Escolhidos os parceiros ou sócios, parte-se para fazer reconhecimento de possíveis fornecedores e preços.

Nessa faze fazemos cadastro onde for possível!

Às vezes é necessário se registrar primeiro, de modo a ter um CNPJ, para poder se cadastrar com determinado fornecedor. Mas vamos deixar isto para uma segunda fase.

Ache os fornecedores e monte uma tabela de preços para trabalhar. Não esqueça de pedir ajuda para um administrador, contador ou estudante de administração nesta fase.

Termos como custo fixo e custo variável devem fazer parte do seu jargão. Saber tudo que vai interferir no seu trabalho também!

Lembre-se nesta fase do que foi dito lá encima! Não vá destruir o mercado!

O seu preço deve estar igual ou acima do valor cobrado pelos gráficos mais eficientes!

Se você pegar uma gráfica que está mal das pernas e ainda cobrar menos, a tendência é você ficar ainda mais mal do que ele!

Nesta fase você vai perceber que o seu custo variável é relativamente alto. Orçamentos que passem dos R$ 1.000 não são raros. Se você triplicar os preços como é feito no mercado de roupas, fatalmente não irá fazer vendas.

O normal é ficar com uma margem de 100% ou pouco mais nos serviços menores e algo como de 30 a 50% nos serviços de porte, incluindo aí os seus demais custos.

O objetivo é ter serviços o suficiente para se manter nos primeiros meses e ir crescendo a medida que aumenta a sua cartela de clientes! Não tente ficar rico no primeiro mês!

Sobre preços!

Digamos que você seja um vendedor e queira trabalhar apenas com cartões (apenas para simplificar os cálculos, ok?)

Você precisa tirar no início R$ 1.000,00 por mês, tem um fornecedor que faz o cartão 4×0 por R$ 20 e um arte finalista que cobra a bagatela de R$ 10 na arte simples (não vamos vender grandes produções de design, isto tem preço!).

Seu custo fixo é exatamente os R$ 1.000,00 que falei no inicio, e ele cobre suas despesas domésticas, passagem para um grande centro e alimentação por todos os dias uteis. Suponha que receba os produtos em casa (se não for, tem custo também) e que o arte finalista seja seu vizinho . O custo variável por milheiro de cartão fica em R$ 30 (produção + arte).

Estamos no melhor do mundo e farei duas situações!

Na primeira situação, você sente medo que seus clientes não paguem o que está pedindo e coloque seu preço de venda a R$ 50, ou seja, você não dobra o preço.

Se você fizer umas contas rápidas terá:

Numero de cartões = 1000 / ( 50 – 30) = 50 cartões = 2 cartões por dia (24 dias uteis)

Nessa situação você ficará obrigado a vender e entregar 2 milheiros por dia… será que vai conseguir fazer isto no início?

Na segunda situação você resolve seguir o meu conselho e pouco mais que dobra o seu custo diário e cobra R$ 70 o  milheiro do cartão.

Numero de cartões = 1000 / ( 70 – 30) = 25 cartões = 1 cartões por dia (24 dias uteis)

Perceba que o cliente não sabe o seu custo. Para ele você está trabalhando com R$ 20 a mais. Se ele perceber qualidade a mais no atendimento e na arte vai pagar fácil a diferença.

Agora me diz! Não é mais fácil vender 1 cartão por dia do que 2?

Perceba que quanto mais for cobrado, mais pode oferecer ao cliente em termos de qualidade em atendimento e de produto. Você como vendedor pode ficar mais tempo trocando ideias e vendo a real necessidade dele. A maioria dos clientes vai preferir isto do que você passar correndo para cobrir meta de venda e nem dar atenção para ele.

Cobrando mais também pode repassar um pouco mais para seu arte finalista e ele acabará caprichando mais nas suas artes, trazendo benefícios em termos de qualidade. Por isso é uma parceria!

Ao contrário! Se cobrar pouco terá que cada vez passar mais rápido no cliente e cada vez ter que correr mais para ganhar o seu ganha pão.

grafica fornecedor

Iniciando o trabalho!

Pronto! Temos parceiros ou sócios e os fornecedores.

Agora podemos preparar o nosso material básico de venda!

Você vai precisar gastar um pouco de grana no inicio. Vai ter que criar a sua marca, fazer cartão de visita, ter um telefone  celular para contato, fazer uns panfletos para fazer uma divulgação inicial e tem que ter um portfólio.

Portfólio? Sim! Tem que ter trabalhos para mostrar ao cliente. Fazer uma pasta para ele ver o que pode ser produzido.

Mas não tenha medo! Os seus fornecedores podem te dar algum material exemplo para você colocar na sua pasta de trabalho.

Aqui vai uma dica prática!

No inicio, é muito difícil fazer uma venda!

Você estará tímido! Não passará segurança para as pessoas e levará muitos nãos pela frente!

Pense do seguinte modo! Se você tivesse estabelecido, e um indivíduo que você nunca viu entrasse nele oferecendo qualquer produto que exigisse um sinal e que só fosse entregue depois de alguns dias. Você daria dinheiro para esse sujeito? Não, né!

Você vai passar por isso!

No inicio faça visitas regulares na sua área de trabalho. Passar a cada 10 dias é em geral uma boa coisa. Faça um roteiro de suas visitas e as organize de forma a passar de 10 em 10 dias nos seus prováveis clientes.

Na primeira vez será um desconhecido, depois a cara será conhecida, depois de algum tempo será alguém que está sempre por ali.

Visitar conhecidos é sempre uma boa. A pessoa já te conhece e pode te dar um incentivo com uma primeira venda e algumas indicações. Ir por indicação é sempre uma boa coisa.

Com o tempo, vão surgir as primeiras vendas, pequenas a princípio.

Você terá que bancar os custos de artes no inicío. Se o arte finalista é iniciante, talvez seja bom ter uma parceria caso seja reprovada a arte, tendo que refazer até agradar o cliente, e como não está sendo paga este custo vai acabar na costa de alguém!

Nos serviços pequenos, você poderá arriscar sua própria grana, bancando a produção para quebrar o medo do cliente de dar um sinal. Lembre-se que existe um risco dele não te pagar e avalie bem a situação. Mas não tem jeito, você terá que quebrar essa barreira.

Depois de um tempo você terá uma carteira de clientes formada e os próprios clientes servirão de referência para você.

Sócios de fato!

Você já percebeu que trabalhar com gráfica não é apenas conseguir clientes!

Todos os envolvidos, correm riscos!

Se você se juntar a outros, dividindo lucros e despesas, vai ficar bem mais fácil.

Por que não se juntar a alguém que cuide da retaguarda e suporte telefônico ao cliente e que cuide “da lojinha” e ficar na frente na prospecção de clientes?

O ramo gráfico permite boas parcerias, pois é muito difícil ter todos os atributos e raramente há conflitos de interesses.

Sociedades neste ramo são relativamente fáceis de serem feitas. O próprio temperamento típico de cada um se torna compatível… ele tipicamente não conflita vaidades!

Comece a trabalhar do jeito que bem entender, mas não descarte a possibilidade de ter sócios ao se estabelecer.

Conclusão

O artigo já se tornou por demais longo e vou terminar por aqui.

As informações dadas já podem dar um pontapé inicial.

Peço a vocês que usem os comentários aqui embaixo para exporem as suas dúvidas, para serem respondidas e para originarem uma nova postagem.

Seja bem vindo ao ramo gráfico! E lembre-se! Venha para somar no mercado e não para acabar com ele! Não é baixando preços que você vai se dar bem e sim trabalhando com muita qualidade e preços justos!

Estarei aguardando os seus comentários.

Está nos meus planos continuar esta postagem, dando dicas para aqueles que acabaram de entrar (passaram desta fase que citei) e estão montando a sua lojinha (bureau de serviços).

Até a próxima postagem!

Abraços a todos!

Curso de Photoshop

Você pode gostar também de:

13 Flares Twitter 0 Facebook 11 Google+ 2 Pin It Share 0 Email -- LinkedIn 0 13 Flares ×

11 comentários

  1. Natanael

    Muito bom as postagens divulgadas no sites.

    È verdade concordo plenamente com as ideias divulgadas, pior mesmo são alguns que não valorizam o trabalho. Sou um Estudante da área, me formando para ser um bom profissional. Penso muito em montar um negocio proprio, estou avaliando desde já o mercado para inovar, da algo as clientes que só eu possa oferecer, mais nada se compara a “Qualidade e Tempo”
    Um bom profissional nunca ficará desaparando, vejo isso nessa área do Designer.

    • Paulo Valle
      Author

      Falta muito isto na área. As pessoas muitas vezes não se preocupam com o que o cliente quer.
      Vá com estas idéias que você falou na cabeça, que você se dará bem.
      Boa sorte… estamos aqui para ajudar.
      Abraços,

  2. Dayane Souza

    Muito interessantes as informações passadas…

    Tenho curso de Auxiliar administrativo, e pretendo investir nessa área pois gosto bastante, tive uma grande oportunidade e hoje estou estagiando na área de designer gráfico em uma gráfica… estou gostando muito da área de designer e pretendo me formar em designer, se associar com um administrador e quem sabe montar nossa própria gráfica. O que acha da ideia?

  3. Jonathan

    Olá, boa noite!

    Já li vários post do site o quais achei muito interessante. Estamos em
    fase de abertura da Gráfica Printex e gostaria de sanar algumas dúvidas, e se
    possível uma consultória mais aprofundada sobre o ramo.

    Qual e-mail para contato?

    Aguardo respostas, obrigado.

  4. Alan de Schepper Exposito

    Olá Paulo Valle sou Impressor de Off-Set alguns anos estou com vontade de comprar uma offset de mesa tipo Ricoh 1010 pra fazer fazer alguns trabalhos em casa, sem sair da gráfica que trabalho, vc poderia me passar seu e-mail gostaria de tirar algumas duvidas com vc.

    • Paulo Valle
      Author

      Alan,
      Já te passei o meu email. Já trabalhei com uma rotaprint de mesa por muitos anos. Gostava mais da qualidade dela do que da Ricoh que um amigo meu tinha. Mas a mecânica da Ricoh é mais parecida com a multilit e isso pode facilitar as coisas para você. Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *